Sua visita me deixou muito feliz...

Sua visita me deixou  muito feliz...

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A força das palavras



As palavras têm muita força e muito poder mas o curioso e intrigante é que nem sempre é assim...depende do grau de segurança, confiança e convicção com que são transmitidas.
Uma palavra pode ...
...ser alívio de um sofrimento;
...ser companhia num momento de solidão;
...ser consolo e conforto numa fatalidade;
...ser um alento e um alívio perante uma preocupação
...restabelecer a paz;
...servir de estímulo num momento de dificuldade;
...apagar o sorriso;
...secar a lágrima que rola pelo rosto;
...manifestar um carinho, uma emoção;
...iniciar um sonho;
..dar início a um romance;
...levar ao paraíso;
...salvar uma vida;
...ser esclarecedora e reveladora ;
... ser a condenação ou absolvição de alguém;
...destruir a vida de alguém;
...desencadear a guerra;
...levar ao rompimento de uma relação;

...empurrar alguém para um abismo;

...gerar uma tragédia;
...originar conflitos pessoais, familiares e sociais;
...semear a discórdia e fomentar uma discussão;
...impedir que uma meta seja alcançada. Neste caso , existe um exemplo, ou melhor uma estória, que ilustra bem como uma palavra pode impedir de se alcançar uma meta: Havia uma corrida de sapos onde o objectivo era ver qual o sapo que conseguia chegar ao topo de uma montanha, a multidão de fora gritava: "é impossível um sapo conseguir isso", um a um os sapos foram desistindo, ficando apenas 1 sapo que conseguiu chegar ao topo. Todos curiosos foram ver qual era a fórmula que o sapo utilizou para alcançar tal feito, quando descobriram que o sapo era surdo, portanto não ouviu que era impossível um sapo realizar tal feito". Aqui não são preciso mais palavras em relação ao que se ouve, ou melhor cabe aqui uma frase pronunciada muitas vezes pelo meu pai, que ouviu muitas vezes da mãe dele: "palavras loucas, orelhas moucas".
Uma palavra, mesmo que apenas mentalizada, é poderosa. Um exemplo, num jogo de volley quando o adversário vai "sacar"/ "servir", mentaliza-se que ele vai falhar e ele acaba falhando, às vezes chegamos mesmo a dizer "vai falhar" e ele falha. Assim como aceitamos um desafio e dizemos "vai perder" e estamos tão convictos que até acrescentamos: "vale uma aposta?" e no fim ganhamos mesmo e o outro perdeu. Isso depende da convicção que temos dentro de nós. Contudo, nem sempre isso acontece, talvez justamente porque dentro de nós acabamos por duvidar e abalar nossa convicção, como na passagem da Bíblia, onde Pedro caminha sobre as águas, quando Jesus o chama "vem", porém duvida e começa a afundar-se nas águas.
As palavras são poderosas e têm força para ser construtora ou devastadora dependendo as circunstâncias e de quem as pronuncia, ou a forma como são ditas e percebidas.



4 comentários:

Pedro disse...

Olá Céu! Bem disposta?

Já dizia Alexandre O’Neill (poeta português, 1924-1986) com o título de um seus poemas «Há palavras que nos tocam»…

A palavra; o som (escrito, falado ou marcado em relevo (Braille, o que não deixa de ser escrito)); o significado; a semântica…

A alma do significado (a carga emocional); a forma como é pronunciada; como é articulada entre os lábios e /ou gesticulada na “força” da intenção pelas mãos e braços…

O(s) momento(s) em que é transmitida…

A Céu é das poucas mulheres que eu posso dizer «Obrigado por existir».

Beijinhos

Pedro

Céu disse...

Obrigada Pedro pelo seu comentário! você enriqueceu e completou,com poucas palavras, o que eu não consegui com muitas palavras.
Obrigada porque seus comentários estimulam a novas reflexões e isso faz com que as palavras tenham eco, não sejam simplesmente lançadas ao ar e carregada pelo vento.
Obrigada pelo carinho de suas palavras "obrigado por existir" me deixaram comovida e gostaria de entender o que fez com que as pronunciasse.
Um abraço

Pedro disse...

Olá Céu! Bem disposta?

Desculpe, mas só agora me foi possível responder à sua pergunta. O que me fez “pronunciar” as palavras «Obrigado por existir», foi o facto de eu considerar a Céu umas das minhas poucas verdadeiras amigas. A Céu, é a única pessoa, até à data, com quem eu consigo ter conversas interessantes, abrangendo um leque variado de temas. Por outro lado, o seu blogue é foco de artigos que suscitam o interesse à reflexão (mesmo sobre assuntos sobre o qual eu já tenha uma opinião ou uma noção geral, os seus artigos vêm reforçar alguns desses argumentos de raciocínio e pensamentos). Estimulam, inclusivé, o bom uso de bom senso no que concerne a juízos de valor, de táctica/ética próprias do modus operandi de cada sere humano. Contudo eu apenas comento aqueles que sinto necessidade de tal. Além disso, a Céu já é amiga de longa data!!!

Beijinhos

Pedro

Céu disse...

Obrigada Pedro, pelo seu comentário, quando lhe fiz a pergunta não estava a espera de receber uma declaração de amizade tão eloquente. Obrigada! è tão bom saber que alguém nos tem como amigo, isso eleva a nossa auto estima.
Que bom que o blog desperte reflexões, pois este é o maior objetivo do mesmo, isto é refletir e fazer com que as pessoas que o leem reflitam, essa troca de reflexão faz com que vamos nos aprofundando no conhecimento de nós mesmos e nesse ponto o Pedro tem ajudado muito, é como se estivéssemos num jogo de "ping-pong" ou melhor, Tênis de mesa, eu lanço a bola que "quica" no seu campo e você por sua vez rebate, a bola "quica" no meu campo e assim a bola salta de um campo para o outro, sem cair no vazio e ficar perdida.Tomara que a bola se mantenha em movimento por muito tempo
Um abraço