Sua visita me deixou muito feliz...

Sua visita me deixou  muito feliz...

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Arte é a expressão do amor no cotidiano da vida

A arte não tem valor, o preço que se paga é a penas o ressarssir das despesas realizadas para que nova arte possa ser criada.
Arte não é somente uma pintura, uma escultura, podemos encontrar arte na pastelaria (cada bolo decorado é uma obra de arte), no designe de roupas criados pelos estilistas, de jóias pelos ourives (como a bolsa confeccionada com pedras preciosas, recentemente divulgada na televisão), no artesanato (como a confecção de miniaturas, réplicas de barcos, dentro de uma garrafa de vidro, como as que o Sr Ezequiel Adriano, de Vila do Conde, faz, digo fazia, vai deixar de fazer porque as muitas horas desprendidas para a realização do artesanato e a dose de paciência necessária para montar, no caso dos barcos, peça por peça com uma pinça dentro da garrafa, não são valorizadas e nem recompensadas). Estas são as artes que observamos no dia a dia, mas que não valorizamos, porque não foi submetida à critica dos "entendidos", embora alguns desses artistas recebam prêmios, condecorações porque conseguem expor à sua obra em concursos, feiras, exposiões populares.
A arte é a expressão visível do amor no cotidiano da vida, que fica incrustado na história, por isso que se ouve ou se usa a expressão "por amor a camisola" querendo significar que muitas vezes executa-se determinada tarefa, que não é recompensada ou valorizada, mas mesmo assim a realiza.

O artista quando está criando a sua arte está totalmente absorto, abstraído do mundo que o rodeia, só existe ele e a sua obra, há uma comunicação muda entre eles, uma interação, que só se percebe depois que a obra está concluída. E fica claro a expressão do amor, quando o artista fala da sua arte.

Arte, arte, mas qual é o conceito de arte:

Um Conceito de Arte
Do latim "ars, artis", termo que, no seu sentido etimológico, tinha uma acepção muito mais ampla do que aquela em que é hoje empregado. Falava-se em arte a respeito de qualquer atividade na qual se dava valor também ao modo pelo qual ela se explicitava. Desse sentido amplo participavam expressões e termos como: a arte de bem viver, ar artes mecânicas, a poesia, a pintura etc. Depois de uma longa elaboração milenar, hoje o conceito de arte se torna menos impreciso , referindo-se mais explicitamente a uma atividade espiritual criadora de beleza, não subordinada a modelos, resultante de uma visão intuitiva e não de um conhecimento racional e tendente a exprimir o espírito na forma sensível. A atividade espiritual que especificava a arte se caracteriza por uma exigência de perfeição que constitui a síntese de três exigências distintas: unidade, integridade e harmonia. Numa obra perfeita, não se pode tirar, nem acrescentar, nem modificar nada sem romper um equilíbrio, sem destruir uma unidade interior e uma proporcionalidade que despertam, em quem aprecia a obra de arte, o prazer estético. Trata-se de um prazer de ordem espiritual, determinado precisamente pela vivência do contato do espírito com a beleza. A verdadeira arte tem um caráter eminentemente desinteressado, enquanto é por essência uma busca espontânea e original do belo em si. Isso não significa que o artista não possa procurar viver a sua arte, vendendo, por exemplo, sua produção artística ou trabalhando mediante remuneração, para realizar a encomenda de um cliente. O que o caráter desinteressado da arte exige, porém, é que o artista não consinta nunca em aviltar para fins puramente mercantis. Isso supõe, não raro, um verdadeiro heroísmo de fidelidade à própria vocação artística. Por esse motivo, muitos artistas geniais viveram na miséria, como antecipadores do seu tempo, não foram compreendidos por uma sociedade que mal lhes pagava o necessário para sobreviver, mas que anos depois, revendia suas obras por preços milhões de vezes mais altos. A verdadeira arte tem, a seguir, um caráter de universalidade; ela atinge valores universais e permanentes, porque atinge a verdadeira essência do humano.
Duas grandes tendências se alternam na história da arte:
NATURALISMO, que parte da representação do mundo visível.
ABSTRACIONISMO, que não nos remete a objetos ou figuras conhecidas, preferindo as linhas, cores e planos.
Uma prova das oscilações dessas tendências pode ser dada pelo fato, por exemplo, de a arte abstrata estar presente tanto nas manifestações vanguardistas do Século 20, quanto entre as produções de homens primitivos.
A arte pode se utilizar de vários meios para sua manifestação. Nas artes visuais os mais conhecidos são a pintura, a escultura, o desenho, as artes gráficas (gravura, tipografia e demais técnicas de impressão, inclusive a fotografia) e a arquitetura.
Fonte: Enciclopédia Digital Master
.http://www.pitoresco.com.br/art_data/arte/
Com tudo isso, arte é tudo aquilo que o homem constrói ou cria, expressando beleza, espiritualidade, com originalidade, tornando o amor visível, pálpavel e transformando-o de con de forma a ser percebido não só pelos sentidos como pela razão.
Parabéns aos artistas anônimos! que no cotidiano da vida expressam e espalham, através de sua obra, a beleza e nela o reflexo do amor, sem esperar pelo reconhecimento ou valorização do seu trabalho.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Amor ...uma sensação sublime, porém frágil!

Que sublime sensação que é ditada pelo amor. Que gostoso acordar ouvindo o chilrear dos passarinhos como se a primavera estivesse chegando, mesmo que na realidade o inverno ainda nos fustigue com seus dias gélidos e sombrios.
Que maravilhosa sensação que nos torna fortes, mas que se torna frágil e vulnerável diante da realidade, esta, por vezes cruel e dilaceradora, que a faz sucumbir com os seus açoites, para dar lugar a sensações desagradáveis ditadas pelas injustiças, ofensas, calúnias, armadilhas, incompreensões, decepções, frustrações, mágoas e tristeza com que nos atinge, como se fossem dardos envenenados lançados contra o nosso coração, despedaçando-o aos pouquinhos. Esse despedaçar do coração torna-se violento quando nos pega completamente desprevenidos, desarmados porque minutos antes estávamos embalados pelas sensações ditadas pelo amor, em estado de êxtase, que só o amor é capaz de conseguir.
Curiosamente é essa mesma sensação, outrora sucumbida, que nos ajudará a reunir os "caquinhos" em que se transformou o nosso coração e o nosso ser, consequentes a determinados acontecimentos nefastos, que por vezes, somos confrontados na vida.Também nos ajudará a erguer todas as vezes que "capotarmos" na vida e nos dará força para levantar, sacudir a poeira e seguir em frente.
Cada curva da estrada da vida trás a possibilidade de "derraparmos" , porém, com certeza se o nosso coração estiver preenchido pelo amor, as "derrapagens" serão suaves e logo retomamos o caminho, só que bem mais fortalecidos .

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Linguagem... a complexidade por trás das palavras!

A linguagem escrita é muito complexa, porém de uma beleza fascinante se bem elaborada ou melhor se a gramática for aplicada adequada e corretamente, embora, muitas vezes possa sair do padrão e ainda bem, porque é o que marca a diferença entre os escritores, tornando-os únicos e célebres. Diferente da linguagem oral onde as palavras são levadas pelo vento e muitas vezes por um lado, os lábios transmitem o contrário daquilo que ocorre no pensamento ou o que o coração sente no momento, por outro lado, em dadas circunstâncias, as palavras saiem com mais velocidade do que gostaríamos ou tivéssemos tempo de refletir e uma vez ditas, as palavras não podem ser apagadas, como podemos fazer, se errarmos, quando estamos escrevendo.
A linguagem surgiu e se manteve ao longo da evolução porque constitui um meio de comunicação eficaz, sobretudo para conceitos abstratos. Ela nos auxilia a estruturar o mundo em conceitos e a reduzir a complexidade das estruturas abstratas a fim de apreendê-las: é a propriedade de "compreensão cognitiva".

Os Centros Cerebrais da Linguagem, no hemisfério esquerdo, comportam estruturas que processam as palavras e as frases, assim como estruturas que asseguram a mediação entre os elementos do léxico e a gramática. As estruturas neuronais que representam os conceitos são repartidas entre os hemisfério direito e esquerdo, em numerosas regiões sensoriais e motoras. A zona das palavras pensadas corresponde às áreas de Broca e de Wernicke.

COMPONENTES DE UMA LINGUAGEM ARTICULADA
FONEMAS - Elementos sonoros cujo encadeamento em uma ordem determinada forma os morfemas.
MORFEMAS - Unidades lingüísticas mínimas que têm um sentido ou cuja combinação forma as palavras (nas linguagens gestuais, os equivalentes dos morfemas são os signos visuais-motores).
SINTAXE (OU GRAMÁTICA) - Arranjo de palavras em frases segundo uma ordem que obedece regras precisas.
LÉXICO - Conjunto de palavras de uma língua. Cada elemento do léxico indica os morfemas e a sintaxe da palavra correspondente, mas não fornece seu sentido.
SEMÂNTICA - Sentido correspondente a cada elemento do léxico e a cada frase possível.PROSÓDIA - Entonação vocal suscetível de modificar o sentido literal das palavras e frases.
DISCURSO - Seqüência de frases que forma uma narração.

A gramática é um conjunto de regras que estabelecem um determinado uso da língua, denominado norma culta ou língua padrão. Acontece que as normas estabelecidas pela gramática normativa nem sempre são obedecidas pelo falante. Quando o falante se desvia do padrão para alcançar uma maior expressividade, ocorrem as figuras de linguagem, estas podem ser:
1- Figuras de Palavras (semântica)
As principais figuras de Palavras são:
*Alegoria =>Sucessão de metáforas e/ou comparações através das quais realidades abstractas são concretizadas. Por meio desta figura, uma realidade abstracta, e por isso de mais difícil apreensão, é substituída por, ou comparada com, uma realidade mais concreta e, portanto, mais compreensível é uma figura de estilo com uma dimensão textual invulgarmente extensa; por vezes abrange a totalidade de uma obra literária: é o que acontece, por exemplo, no Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente a passagem da vida terrena à vida depois da morte é alegoricamente representada pela passagem de um rio, para a qual estão disponíveis duas barcas, a barca do paraíso e a barca do inferno. As almas são metaforicamente representadas por passageiros; o interrogatório a que são submetidas representa o julgamento das almas subsequente à morte; o destino de cada uma das barcas prefigura a salvação ou a condenação eternas. Embarcar numa ou noutra depende do comportamento das almas na vida terrena, e esse comportamento determina, portanto, o destino das almas depois da morte

*Antífrase (pensamento) =>consiste em se utilizarem termos contrários para expressar a idéia que desejamos. Por exemplo: Chegou cedo, seu fulano! — para alguém que chegou atrasado. Bonito, hein! — para alguém que cometeu um ato questionável ou disparatado. Coisinha linda! — para referir-se a algo ou alguém muito feio.

*Antítese (pensamento) =>consiste na aproximação de termos contrários, de palavras que se opõem pelo sentido. Aproximação de palavras com significados opostos. Duas ideias antagónicas são aproximadas. “Os jardins têm vida e morte.” Tanto de meu estado me acho incerto, Que em vivo ardor tremendo estou de frio; Sem causa, juntamente choro e rio; O mundo todo abarco e nada aperto. Camões (uma série de três antíteses: ardor/frio;choro/rio; mundo todo/nada) *Antonomásia ou perífrase (pensamento)=> consiste em substituir um nome por uma expressão que o identifique com facilidade, É a figura que consiste em exprimir por várias palavras aquilo que se diria em poucas ou em uma palavra. Torna-se, portanto, uma referência indireta. O país do futebol acredita em seus filhos." (a expressão país do futebol expressa o termo Brasil) astro rei (Sol) última flor do Lácio (língua portuguesa) Cidade-Luz (Paris) Rainha da Borborema (Campina Grande) Cidade Maravilhosa (Rio de Janeiro).: “...os quatro rapazes de Liverpool (em vez de os Beatles)

*Apóstrofe (pensamento)=> consiste na interpelação enfática a alguém (ou alguma coisa personificada) na invocação de pessoas ausentes, coisas ou ideias: “Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-me vós, Senhor Deus!”; Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal. (Fernando Pessoa) "Liberdade, Liberdade, Abre as asas sobre nós, Das lutas, na tempestade, Dá que ouçamos tua voz..." (Osório Duque Estrada)

*Catacrese=> é o emprego impróprio de uma palavra ou expressão, por esquecimento, ignorância do seu étimo ou por falta de um termo específico para designar um conceito, torna-se outro por empréstimo. Entretanto, devido ao uso contínuo, não mais se percebe que ele está sendo empregado em sentido figurado. Ex: O pé da mesa estava quebrado; embarcar num avião, enterrar a agulha no dedo

*Comparação por símile =>É a comparação entre dois elementos de universos diferentes.Ex: Meu pai é bravo como um leão; Aquela mulher tem a voz suave como a de um pássaro.

*Comparação simples=> É a comparação entre dois elementos de um mesmo universo. EX: Esse carro é tão veloz como aquele avião

*Disfemismo (pensamento) => uso de palavras ou expressões de carácter rude, repugnante, desagradável, agressivo ou horrível. O disfemismo, contrariamente ao eufemismo que suaviza e atenua o que é considerado obsceno ou de mau gosto, visa ferir determinados tabus de ordem religiosa, moral e social. Morrer: "comer capim pela raiz", "vestir o paletó de madeira", "ir para a terra dos pés-juntos", "bater as botas"; Urinar: "tirar água do joelho", "mudar a água às azeitonas", etc.

*Eufemismo (pensamento)=> Figura de retórica que procede à substituição de uma expressão rude ou desagradável por uma outra que amenize o discurso, embora sem alterar o sentido, em síntese, procura-se suavizar alguma afirmação desagradável. Ex: "ir para outro mundo" ou “Tirar Inês ao mundo determina” (Camões, Os Lusíadas, III, 123) em vez de "morrer; Crepúsculo da vida (morte) Você faltou com a verdade. (Em lugar de mentiu); Ele enriqueceu por meios ilícitos. (em vez de ele roubou)

*Gradação(pensamento) =>Consiste em dispor um conjunto de ideias por ordem crescente (clímax) ou decrescente (anticlímax). EX: “Um coração chagado de desejos. Latejando, batendo, restrugindo.”; "[O Amor] tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta." Paulo de Tarso na Primeira Epístola aos Coríntios, capítulo 13, versículo 7); “Toma Inácio o livro nas mãos, lê-o, a princípio com dissabor, pouco depois sem fastio, ultimamente com gosto e dali por diante com fome, com cuidado, com desengano, com devoção, com lágrimas (...)”. (P. António Vieira) *Hipérbole (pensamento) =>trata-se de exagerar uma idéia com finalidade enfática; Consiste numa expressão exagerada da realidade. Ex: "Rios te correrão dos olhos, se chorares!" (Olavo Bilac); Estou morrendo de sede. (em vez de estou com muita sede)

*Hipálage =>Consiste em atribuir uma característica de uma pessoa a uma coisa que com ela se relaciona. Ex: Ex: (...) e a Mãe Vilaça, abriu-lhe uns grandes braços amigos cheia de exclamações.(Eça de Queirós); ou atribuição, a um nome, de uma qualidade que logicamente pertence a outro nome da mesma frase. Ex.: "Fumando um pensativo cigarro", ou "Todos os dias de jejum come um peixe austero". (Eça de Queirós)

*Ironia (Pensamento)=> apresenta um termo em sentido oposto ao usual, obtendo-se, com isso, efeito crítico ou humorístico. è a afirmação de algo diferente do que se deseja comunicar, geralmente o contrário, na qual o emissor deixa transparecer a contrariedade por meio do contexto do discurso, ou através da alguma diferenciação editorial, ou entoativa ou gestual“A ironia é uma forma elegante de ser mau.” (Berilo Neves).Ex:“A excelente Dona Inácia era mestra na arte de judiar de crianças.”; Moça linda, bem tratada, três séculos de família, burra como uma porta: um amor! (Mário de Andrade)

*Metáfora=> consiste em empregar um termo com significado diferente do habitual, com base numa relação de similaridade entre o sentido próprio e o sentido figurado. A metáfora implica, pois, uma comparação em que o conectivo comparativo fica subentendido; Associação de semelhança implícita entre dois elementos. De facto, e tendo como base o significado etimológico do termo, o processo levado a cabo para a formação da metáfora implica necessariamente um desvio do sentido literal da palavra para o seu sentido livre. Ex:“Meu pensamento é um rio subterrâneo.”; Aquela mulher é uma baleia”.

*Metalepse =>Figura de estilo que toma o antecedente pelo consequente, e vice-versa, ou seja, quando queremos dar a entender uma coisa por outra que a precede no discurso. Ex: "o suor do teu rosto" no lugar de "teu esforço"; "em sinal de respeito a teus cabelos brancos" em lugar de: "tua idade" ou "tua velhice".

*Metonímia ou Sinédoque =>como a metáfora, consiste numa transposição de significado, ou seja, uma palavra que usualmente significa uma coisa passa a ser usada com outro significado. Todavia, a transposição de significados não é mais feita com base em traços de semelhança, como na metáfora. A metonímia explora sempre alguma relação lógica entre os termos. Ex: “Não tinha teto em que se abrigasse”. (teto em lugar de casa); Consiste em atribuir a uma coisa o nome de outra com base numa relação de contiguidade. O autor pela obra (“comprou um Van Gogh por um milhão de dólares).O continente pelo conteúdo (“bebeu um copo”); O local de fabrico pelo produto (bebemos um porto); O material de que é feito pelo objecto (“gosta de cristais”). O efeito pela causa (“respeitem os meus cabelos brancos”); O físico pelo moral (“ele é uma boa cabeça”); O sinal pelo significado (a cruz e a espada engrandeceram Portugal).

*Onomatopeia =>Significa imitar um som com um fonema ou palavra. Ruídos, gritos, canto de animais, sons da natureza, barulho de máquinas, o timbre da voz humana fazem parte do universo das onomatopéias. Por exemplo, para os índios tupis tak e tatak significam dar estalo ou bater e tek é o som de algo quebrando. As onomatopéias, em geral, são de entendimento universal. Ex.: triiim, chuá, bué, pingue-pongue, miau, tique-taque, zunzum

*Paradoxo(pensamento)=> exposição contraditória de ideias. As expressões assim formuladas tornam-se proposições falsas, à luz do senso comum, mas que podem encerrar verdades do ponto de vista psicológico/poético. na língua portuguesa, o paradoxo mais citado talvez seja o célebre soneto de Luís de Camões:"Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer;É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder;É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor; É ter com quem nos mata lealdade.Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor?"

*Prosopopéia ou Personificação =>(pensamento)Consiste em atribuir linguagem, sentimentos e ações, predicativos de seres humanos (animados) a seres inanimados ou irracionais. Ex: “O jardim olhava as crianças sem dizer nada”; “O Morro dos Ventos Uivantes...” (Os ventos não uivam) O morte mostrou sua face mais sinistra O pão olhava para ele como se lhe dissesse, coma-me.

*Sinestesia =>trata-se de mesclar, numa expressão, sensações percebidas por diferentesórgãos do sentido. Ex: “A luz crua da madrugada invadia meu quarto”; Consiste numa associação de sensações diferentes na mesma expressão. Ex: “É noite: e, sob o azul morno e calado, Concebem os jasmins e os corações. (Gomes Leal)
2- Figura de Construção/sintaxe
As Principais figuras de Construção são:

*Aliteração (som) => consiste na repetição ordenada de mesmos sons consonantais, de forma a obter um efeito expressivo. Ex:“Esperando, parada, pregada na pedra do porto.”; “Em horas inda louras, lindas Clorindas e Belindas,brandas Brincam nos tempos das Berlindas As vindas vendo das varandas”. (Fernando Pessoa)

*Anacoluto =>consiste em deixar um termo solto na frase. Normalmente, isso ocorre porque se inicia uma determinada construção sintática e depois se opta por outra. A vida, não sei realmente se ela vale alguma coisa; “O avião, não te disse, está atrasado.”

*Anadiplose =>É a repetição de termos no início de cada verso ou frases "Palavras não são más Palavras não são quentes Palavras são iguais Sendo diferentes" (Palavras - Titãs)

*Anáfora =>consiste na repetição de uma mesma palavra no início de versos ou frases consecutivas. É comuníssima nos quadrinhos populares, música e literatura em geral, especialmente na poesia. Ex: “ Amor é um fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer” (Camões)

*Analepse (oposto de prolepse)=> é a interrupção de uma sequência cronológica narrativa pela interpolação de eventos ocorridos anteriormente. É, portanto, uma forma de anacronia ou seja, uma mudança de plano temporal. Ex: “Ainda na véspera eram seis viventes, contando com o papagaio. Coitado, morrera na areia do rio, onde haviam descansado, à beira de uma poça: a fome apertara demais os retirantes e por ali não existia sinal de comida. Baleia jantara os pés, a cabeça, os ossos do amigo, e não guardava lembrança disso.” Graciliano Ramos, Vidas Secas

*Assíndeto=> omissão de conjunções, normalmente coordenativas. Reforça o processo de encadeamento, pondo em evidência os seus elementos. Ex:”(...) por toda a câmara, reluziam, cintilavam, refulgiam os escudos de oiro (...)”(Eça de Queirós)

*Assonância (som) =>consiste na repetição ordenada de sons vocálicos idênticos, em situação de sílaba tónica. Ex: “Sou um mulato nato no sentido lato mulato democrático do litoral.”; Sou Ana, da cama da cana, fulana, bacana. Sou Ana de Amsterdam."(Chico Buarque)

*Diácope =>Repetição seguida de uma mesma palavra, podendo, de acordo com alguns teóricos, haver vocábulos entre elas. "Tu só tu, puro amor..." (Lus,3,119)

*Elipse =>É a omissão intencional de um termo facilmente identificável pelo contexto ou por elementos gramaticais presentes na frase. Essa omissão torna o texto conciso e elegante. Ex: “No mar, tanta tormenta e tanto dano." (Camões); “Na sala, apenas quatro ou cinco convidados.” (omissão de havia)

*Epístrofe =>Repetição da mesma palavra ou expressões no final de cada oração ou verso. Ex: A vida era incerta. A emoção incerta. A culpa incerta. A morte certa. *Epizêuxis é uma figura de linguagem na qual a mesma palavra é repetida duas ou mais vezes seguidas sem outra de permeio. Ex: "Marília, Marília, és a estrela da manhã."; "Amigo, amigo, por favor não vá embora." *Inversão ou Hipérbato É a inversão da ordem natural e direta dos termos da oração. Ex: Dança, à noite, o casal de apaixonados no clube.(Ordem direta: O casal de apaixonados dança no clube à noite.)

*Paranomásia (som)=> consiste na aproximação de palavras de sons parecidos, mas de significados distintos. Ex: “Eu que passo, penso e peço.”; Com tais premissas ele sem dúvida leva-nos às primícias" (Padre António Vieira); "Exportar é o que importa"' (Delfim Netto); "Com os preços praticados em planos de saúde, uma simples fatura em decorrência de uma fratura pode acabar com a nossa fartura" (Max Nunes)

*Pleonasmo =>consiste numa redundância cuja finalidade é reforçar a mensagem. tem por objectivo reforçar uma ideia, repetindo-a, causando um efeito de eco semântico O pleonasmo torna-se, portanto, uma redundância (emprego de uma ou várias palavras que repetem uma ideia já contida em vocábulos anteriores). Ex: “E rir meu riso e derramar meu pranto.”;‘a tristeza mais triste’; ‘subir para cima’ Ele tem uma bela caligrafia."Cali", um radical grego, quer dizer "belo", "bonito". Assim, "caligrafia" significa "grafia bonita", o que torna a expressão "caligrafia bonita" um pleonasmo. Como, no entanto, praticamente se perdeu a noção de que caligrafia já tem a palavra "belo", escrever "bela caligrafia" não constitui um deslize e é aceito pelo padrão culto. *Polissíndeto consiste na repetição de conectivos ligando termos da oração ou elementos do período. É o emprego repetido e intencional de conjunções coordenativas que ligam uma série de palavras, sintagmas ou frases coordenadas. Ex: “(...) a violenta cólera de uma serra (...) que (...) só lhe oferecera doçura e sombra, e suaves céus, e quietas ramagens, e murmúrios discretos de ribeirinhos mansos (...)”Eça de Queiros

*Prolepse (oposto de analepse) =>consiste na antecipação gramatical de palavras pertencentes a um sintagma posterior da frase, de forma a realçá-lo. Ex: “E estas calças, veja em que estado deixou estas calças…” (José Saramago)

*Silepse=> consiste na concordância não com o que vem expresso, mas com o que se subentende, com o que está implícito. A silepse pode ser: De género (Vossa Excelência está preocupado); De número (Os lusíadas glorificou nossa literatura), De pessoa (“O que me parece inexplicável é que os brasileiros persistamos em comer essa coisinha verde e mole que se derrete na boca.”)

*Zeugma =>omissão de um ou mais elementos de uma oração, já expressos anteriormente. A zeugma é uma forma de elipse. Ex: Ele gosta de lasanha; eu, de chocolate."

Quando o desvio se dá pelo não-conhecimento da norma culta, temos os chamados vícios de linguagem.

*barbarismo =>consiste em grafar ou pronunciar uma palavra em desacordo com a norma culta. Ex: Pesquiza (em vez de pesquisa); prototipo (em vez de protótipo) *solecismo: consiste em desviar-se da norma culta na construção sintática. Fazem dois meses que ele não aparece. (em vez de faz; desvio na sintaxe de concordância)

* Ambigüidade ou anfibologia => trata-se de construir a frase de um modo tal que ela apresente mais de um sentido. Ex: “O guarda deteve o suspeito em sua casa”. (na casa de quem: do guarda ou do suspeito?)

*Cacófono: consiste no mau som produzido pela junção de palavras. Ex: Paguei cinco mil reais por cada; Uma mão lava a outra

*Neologismo => é a criação desnecessária de palavras novas. Segundo Mário Prata, se adolescente é aquele que está entre a infância e a idade adulta, envelhescente é aquele que está entre a idade adulta e a velhice.

*Arcaísmo => consiste na utilização de palavras que já caíram em desuso. Ex: “Vossa Mercê me permite falar? “ (em vez de você)

*Eco => trata-se da repetição de palavras terminadas pelo mesmo som. O menino repetente mente alegremente.

A linguagem é muito mais complexa do que aquilo que se supõe ou imagina-se, porque é necessário uma interação de várias estruturas e elementos natos e adquiridos para que ela ocorra.
http://br.geocities.com/mitologica_2000/lin-simples.htm

http://www.brasilescola.com/portugues/figuras-linguagem.htm

http://www2.fcsh.unl.pt/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Prolepse

http://www.infoescola.com/redacao/tipos-de-textos-narrativos/

http://www.psiquiatriageral.com.br/cerebro/cerebro_e_a_linguagem.htm

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Sentimento de culpa...uma torura mental!

O Sentimento de culpa é uma tortura mental que nós próprios nos imputamos, resulta da dicotomia existente entre o eu real, humano, por isso passível de erro e o eu ideal, imaginário, perfeito, infalível, justamente este é o juiz que condena aquele.
A cerca do tema Antônio Roberto Soares escreveu o seguinte texto (aqui fragmentado):
CULPA A BUSCA DA PERFEIÇÃO: "Por detrás de nossas tristezas e frustrações, de nossas insatisfações na vida, de nossos tédios e angústias, está um sentimento, o mais arraigado em nosso comportamento e responsável por grandes sofrimentos psicológicos, que é o sentimento de culpa. O núcleo do sentimento de culpa são estas palavras: "Não deveria...". Na culpa, dividimos-nos em duas pessoas: uma real, má, errada, ruim, e uma ideal, boa, certa e que tortura a outra. Dentro de nós processa-se um julgamento em que o Eu ideal, imaginário, é o juiz e o Eu real, concreto, humano, é o réu. O Eu ideal sempre faz exigências impossíveis e perfeccionistas. Muitas pessoas dedicam a sua vida a tentar realizar a concepção do que elas devem ser, em vez de se realizarem a si mesmas. Quanto maior for a expectativa a nosso respeito, quanto maior for o modelo perfeccionista de como deve ser a nossa vida, maior será o nosso sentimento de culpa. A culpa é a tristeza por não sermos perfeitos, é a tristeza por não sermos Deus, por não sermos infalíveis; é uma incapacidade de lidar com o erro, com a imperfeição; é o contato direto com a realidade humana, em contraste com as suas intenções perfeccionistas, com os seus pensamentos megalomaníacos a respeito de si mesmo. Outra crença que nos leva à culpa, esta talvez mais sutil, mais encoberta e profunda, é acreditarmos que há uma relação necessária entre o erro e a culpa, é a vinculação automática entre erro e culpa.
A propósito do erro, há um texto interessantíssimo no livro "Buscando Ser o que Eu Sou", de Ilke Praha, que diz: "O perfeccionismo é uma morte lenta. Se tudo se cumprisse à risca, como eu gostaria, exatamente como planejara, jamais experimentaria algo novo, minha vida seria um repetição infinda de sucessos já vividos. Quando cometo um erro vivo algo inesperado. Algumas vezes reajo ao cometer erros como se tivesse traído a mim mesmo. O medo de cometer erros parece fundamentar-se na recôndita presunção de que sou potencialmente perfeito e de que, se for muito cuidadoso, não perderei o céu. Contudo, o erro é uma demonstração de como eu sou, é um solavanco no caminho que tracei, um lembrete de que não estou lidando com os fatos. Quando der ouvidos aos meus erros, ao invés de me lamentar por dentro, terei crescido". Só existe uma saída para o sentimento de culpa. Somente uma palavra teria essa magia. A palavra é: Perdão. Se a culpa é a vergonha da queda, o auto-perdão é o elo entre a queda e o levantar de novo. O auto-perdão é a capacidade de dizer adeus ao passado, é apenas saber perder o que já está perdido. Amigo, não fique aborrecido por seus erros. Alegre-se por eles, você teve a coragem de dar algo de si".
http://www.lunaeamigos.com.br/mensagens/culpa.htm

Dia após dia o sentimento de culpa vai se tornando dominante e atormentando sem dar trégua, por vezes, depois vai ficando imperceptível, mas fica latente, mal surge uma brechinha e ele logo volta com toda a força para assombrar a nossa existência. Outras vezes fica tão forte e dominador, como se tivesse vários dedos (os seus próprios e dos outros) apontados para si ,que a mente vai ficando enfraquecida, originando depressão que pode ser tão profunda e culminar com o extermínio da própria vida, ou neurose ou outro distúrbio mental.

É certo que o passado já passou, se cometemos algum erro, esse já ficou no passado, podemos e devemos tirar ensinamentos dele e tentarmos não cometer erros semelhantes no futuro, ou se passível de correção corrigi-lo no presente, porém há erros ou falhas que jamais poderemos corrigir, principalmente se foi contra terceiros, o auto-perdão, neste caso, não vai eliminar totalmente o sentimento de culpa, quando muito o atenuará de forma a que ele fica o mais tempo possível sem nos assombrar, ou que nos permita seguir na nossa caminhada pela vida, ainda que, por vezes, claudicando e até mesmo tenhamos que parar, mas que depois possamos recomeçar.

"Errar é humano, perdoar é divino" nós somos humanos, mas temos dentro de nós um espírito divino, que este seja nosso redentor e libertador e não o nosso carrasco e crucificador, diante de nossos erros, para que não nos torturemos mentalmente com o sentimento de culpa.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Carnaval...expressão da fantasia

Hoje começa uma das mais populares comemorações pelo qual o Brasil, nomeadamente o Rio de Janeiro, é conhecido mundialmente, o Carnaval, maior festa pagã de todos os tempos. São 5 dias de folia, onde tudo é esquecido, os problemas, mas infelizmente também os limites da decência e dos valores morais. Os excessos são cometidos, as orgias se propagam, ouve-se a seguinte expressão "ninguém é de ninguém nesses dias", claro é que ninguém é propriedade de ninguém e nem de si mesmo, porém essa expressão é utilizada no sentido dos casais "pularem à cerca" sem pudor ou peso na consciência, porque como diz a letra da música "...vou beijar-te agora, não me leva a mal, hoje é Carnaval..."
O Carnaval enquanto extravasamento da fantasia, alegria, diversão, é salutar porque dá liberdade ao espírito oprimido pelo cotidiano da vida, como alguns anos atrás, onde "pulava-se" ou brincava-se o Carnaval nos bailes carnavalescos em clubes ou nos foliões de rua, muitos vestiam fantasias (as mais tradicionais eram as de pierrot, columbina, piratas, palhaços, os "bate-bolas", havia muito confeti e serpentina, todos que ali estavam pulavam, cantavam (músicas que permanecem ao longo dos tempos com: "Se você pensa que cachaça é água, cachaça não é água não...", "se você fosse sincera, oooô, Aurora...", "...oh quanto riso! , oh quanta alegria, mais de mil palhaços no salão, alecrins está chorando pelo amor da columbina, no meio da multidão..." entre tantas outras, encerrando com o hino: "Cidade maravilhosa cheia de encantos mil, cidade maravilhosa, coração do meu Brasil...) divertiam-se imensamente...Ai que saudades desse tempo!
Contudo, o Carnaval enquanto, orgia, depravação e excessos tornam o ser humano indigno da sua condição humana, porque liberta o seu lado negro ou o seu instinto animal, que muitas das vezes é mais feroz do que os próprios animais selvagens irracionais, porque liberta uma espécie de "besta" (protegidos pela máscara ou fantasia, motivados pelo excesso de álcool ou drogas) que sai arrasando tudo e todos por onde passa, como acontecem em determinados bailes, que acabavam por gerar até tragédias.
O Carnaval no Brasil, dispensa qualquer apresentação pois é divulgado e conhecido por todo o mundo, por seu desfile carnavalesco no sambódromo, que virou um espectáculo cultural e turístico, onde os acontecimentos históricos são narrados através dos carros alegóricos, com muita criatividade, cor e brilho. Todos os preparativos, desde as fantasias dos integrantes de cada Escola de Samba até aos carros alegóricos, começam após o Carnaval, ocorrendo ao longo de todo ano. Essa festa é vivida tão intensamente por muitos, que os governantes em outros tempos, aproveitavam para aplicar os aumentos ou impostos nessa altura, em que o povo estava distraído, alguns vivem tão intensamente o Carnaval, que trabalham o ano inteiro só pensando nesses dias em que vão se "esbaldar"
O Carnaval não é produto dos nossos tempos, já há "dez mil anos antes de Cristo, homens, mulheres e crianças se reuniam no verão com os rostos mascarados e os corpos pintados para espantar os demónios da má colheita. As origens do Carnaval têm sido buscadas nas mais antigas celebrações da humanidade, tais como as Festas Egípcias que homenageavam a deusa Isis e ao Touro Apis. Os gregos festejavam com grandiosidade nas Festas Lupercais e Saturnais a celebração da volta da primavera, que simbolizava o Renascer da Natureza. Mas num ponto todos concordavam, as grandes festas como o carnaval estão associadas a fenómenos astronómicos e a ciclos naturais. O carnaval se caracteriza por festas, divertimentos públicos, bailes de máscaras e manifestações folclóricas. Na Europa, os mais famosos carnavais foram ou são: os de Paris, Veneza, Munique e Roma, seguidos de Nápoles, Florença e Nice.
A festa carnavalesca surge a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse longo período de privações acabaria por incentivar a reunião de diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma. A palavra "carnaval" está, desse modo, relacionada com a idéia de "afastamento" dos prazeres da carne marcado pela expressão "carne vale", que, acabou por formar a palavra "carnaval". Em contraste com a Quaresma, tempo de penitência e privação, estes dias são chamados "gordos", em especial a terça-feira (Terça-feira gorda, também conhecida pelo nome francês Mardi Gras), último dia antes da Quaresma. Nos Estados Unidos, o termo mardi gras é sinônimo de Carnaval. No período do Renascimento as festas que aconteciam nos dias de carnaval incorporaram os baile de máscaras, com suas ricas fantasias e os carros alegóricos. Ao caráter de festa popular e desorganizada juntaram-se outros tipos de comemoração e progressivamente a festa foi tomando o formato atual. O Carnaval é um período de festas regidas pelo ano lunar no Cristianismo da Idade Média. O período do Carnaval era marcado pelo "adeus à carne" ou "carne vale" dando origem ao termo "Carnaval". Durante o período do Carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes. O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX. A cidade de Paris foi o principal modelos exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro se inspirariam no Carnaval francês para implantar suas novas festas carnavalescas sendo o Carnaval do Rio de Janeiro considerado o mais importante do mundo
."
O tempo de duração do Carnaval não é uniforme:
"O carnaval suíço começa com a quarta-feira de cinzas, na madrugada escura (inverno, norte dos Alpes). A iluminação pública é apagada e lanternas enormes ilustrando motivos políticos e sociais são iluminadas. Músicos com flautas piccolo e tambores passeiam pela cidade São "divididos", por estados (cantões), por línguas(Röstigraben(francês/alemão), Spaghettipass(italiano/alemão)) e por religiões (região católica na época da Reformação ou protestante). Basiléia é protestante. Na Suíça Central tudo se concentra mais antes da quarta-feira de cinzas e no fim de semana anterior. Bandas com percussão e instrumentos de sopro desfilam. carros alegóricos comentam motivos políticos e sociais. Como a agricultura era muito importante antigamente, o sino de vaca também está presente. Ou dois sinos ao lado do corpo, sendo carregados com um pau sobre os ombros; ou um sino nas costas seguro por cinto muito largo em volta da barriga. Em Nova Orleans acontece o maior carnaval norte-americano, o Mardi Gras. O termo Mardi Grass, termo que vem francês e significa terça-feira gorda, se iniciou quando negociantes fundaram o clube “The Mystick Krewe of Comus”, em 1857, na terça-feira de carnaval, e fizeram um desfile com monumentais carros alegóricos, tendo à frente negros com archotes . Na primeira década deste século formou-se o “Krewe of Rex” que desfilou para o Grão-Duque da Rússia. Durante o Mardi Grass, mais de 50 agremiações desfilam pelas ruas da cidade, os bares ficam o tempo todo abertos, e são tomados por multidões com os mais exóticos trajes, que bebem e saem as ruas fazendo a maior algazarra nas passagens das agremiações. O ponto de encontro do carnaval negro é a Av. Clair Borne, onde se espalham as mais exóticas tribos, com elaboradas e esquisitas fantasia. O monarca da festa é o Rei Zulu e há uma mistura de ritmos de origem negra. Os locais dos desfiles são amplamente divulgados pelos jornais. O mais importante se estende da ST. Charles Avenue até Canal Street. Uma das agremiações mais conhecidas é a Bacchus que se apresenta com gigantescos e originais carros alegóricos. Outra agremiação bastante conhecida é a Endymion. A própria origem do Carnaval é obscura. É possível que suas raízes se encontrem num festival religioso primitivo, pagão, que homenageava o início do Ano Novo e o ressurgimento da natureza, mas há quem diga que suas primeiras manifestações ocorreram na Roma dos césares, ligadas às famosas saturnálias, de carácter orgíaco. Contudo, o rei Momo é uma das formas de Dionísio — o deus Baco, patrono do vinho e do seu cultivo, e isto faz recuar a origem do Carnaval para a Grécia arcaica, para os festejos que honravam a colheita. Sempre uma forma de comemorar, com muita alegria e desenvoltura, os actos de alimentar-se e beber, elementos indispensáveis à vida.· Os dias exactos do início e fim da estação carnavalesca variam de acordo com as tradições nacionais e locais, e têm-se alterado no tempo. Assim, em Munique e na Baviera (Alemanha), ela começa na festa da Epifania, 6 de Janeiro (dia dos Reis Magos), enquanto em Colónia e na Renânia, também na Alemanha, o Carnaval começa às 11h11min do dia 11 de Novembro (undécimo mês do ano). Na França, a celebração se restringe à terça-feira gorda e à mi-carême, quinta-feira da terceira semana da Quaresma. Nos Estados Unidos, festeja-se o Carnaval principalmente de 6 de Janeiro à terça-feira gorda (mardi-gras em francês, idioma dos primeiros colonizadores de Nova Orleans, na Louisiana), enquanto na Espanha a quarta-feira de cinzas se inclui no período momesco, como lembrança de uma fase em que esse dia não fazia parte da Quaresma. No Brasil, até a década de 1940, sobretudo no Rio de Janeiro, as festas pré-carnavalescas se iniciavam em Outubro, na comemoração de N. Sra. da Penha, crescia durante a passagem de ano e atingia o auge nos quatro dias anteriores às Cinzas — sábado, domingo, segunda e terça-feira gorda. Hoje em dia, tanto em Recife (Pernambuco), quanto em Salvador (Baia), o Carnaval inclui a quarta-feira de cinzas e dias subsequentes, chegando, por vezes, a incluir o sábado de Aleluia. "
Eu já vesti a minha fantasia, muito simples, sem máscara, uma bata branca com estetoscópio ao pescoço, e você já vestiu a sua? está a espera de que para vestir a sua fantasia e cair na folia? Se esteve o tempo todo mascarado, então está na hora de mudar e tirar a máscara (Ihhihiihihihihih).
Bom Carnaval! folia sim, diversão e libertação da fantasia também, mas com moderação, nada de excessos, não transforme os risos de hoje em lágrimas de amanhã.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Escrita ..pensamentos e ensinamentos através do tempo

A linguagem escrita é uma forma de perpetuar os pensamentos e ensinamentos através dos tempos e tornar imortal os seus autores. Recordando ou pesquisando nos recônditos da linguagem escrita ou da literatura, existem 3 formas de redação: Descrição, narração e dissertação. Destes a narração é um dos gêneros literários mais fecundos. Entre os tipos de textos mais conhecidos, estão o Romance, a Novela, o Conto, a Crônica, a Fábula, a Parábola, o Apólogo,a Lenda, entre outros. O principal objetivo do texto narrativo é contar algum fato. E o segundo principal objetivo é que esse fato sirva como informação, aprendizado ou entretenimento. Se o texto narrativo não consegue atingir seus objetivos perde todo o seu valor. A narração, portanto, visa sempre um receptor.
Segundo Aristóteles a literatura é dividida em 3 categorias:
1- Lírica (apresentam um mundo interior, ou subjectivo (o mundo exterior é apresentado pelos olhos do poeta); centram-se em torno do "eu"; têm uma função emotiva). è muitas vezes descrita em Verso (é o nome dado a cada linha que compõe um poema ou uma composição poética. O conjunto de versos que constituem uma unidade gráfica recebe o nome de estrofe, sendo que um texto lírico pode ter um número muito variado tanto de estrofes como de versos por estrofe. Geralmente, uma estrofe apresenta uma ideia ou um sentido completo, mas esta regra pode ser quebrada para produzir efeitos estilísticos.). De acordo com o número de versos que as constituem, as estrofes podem ser: monóstico - um verso;dístico - dois versos; terceto - três versos; quadra - quatro versos quintilha - cinco versos; sextilha - seis versos; sétima - sete versos, oitava - oito versos; nona -nove versos; décima - dez versos.
Os gêneros líricos são: Balada (origem medieval, era um poema acompanhado por música, cantado durante os bailes e festas); Canção (origem medieval: destinado ao canto, era um poema de tom lírico e erudito na época trovadoresca. Na época Renascentista, adopta novas normas de versificação e é usada preferencialmente para temas amorosos. Depois do século XV, torna-se um poema simples, usado igualmente para temas morais e heróicos. Normalmente, a canção é composta por: introdução - apresenta o espaço e o tempo em torno do sujeito lírico texto -desenvolvimento do assunto cabo ou finda - conclusão e dedicação da canção a uma personalidade. De acordo com o assunto, pode ser chamada: canção amorosa (ou cantiga de amigo e cantiga de amor) canção filosófica canção patriótica canção satírica (ou cantiga de escárnio e mal-dizer) Cantata - quando a canção se debruça sobre um assunto elevado
Madrigal - quando a canção exprime um galanteio); Écloga (Poema sobre a vida dos pastores e sobre o campo, tendo como cenário uma Natureza idealizada. Género originário da Antiguidade Clássica);Elegia (Poema que exprime sentimentos tristes, normalmente causados por acontecimentos como a morte, a prisão, o exílio ou a guerra); Esparsa (pequeno poema medieval de tom melancólico e enigmático. Desenvolve directamente o assunto abordado); Hino (celebra uma divindade, uma nação, uma personalidade ou acontecimento extraordinários, ou um ideal relioso, cívico ou patriótico. Geralmente, é cantado, não recitado); Ode (oriunda da Grécia, começou por referir qualquer tipo de canto, alegre ou triste. Por volta do século VII a.C., passou a designar uma composição subjectiva, que cantava os sentimentos do sujeito lírico.
Píndaro, no século VI a.C., usou a Ode para cantar as vitórias atléticas dos festivais, as quais serviam de motivo para o verdadeiro objectivo: exaltar os valores morais, os valores da poesia, etc. Escrita em estilo elevado, é utilizada para temas como: louvor de cidadãos ou eventos públicos;prazeres da vida; Encantos da vida rústica; Reflexões morais e filosóficas
Tipicamente, é composta por: estrofe, antístrofe e epodo; Quadra Popular ( a forma lírica mais comum entre o povo; foi também utilizada por poetas de renome. Composta por 4 versos de sete sílabas (redondilha maior), a rima surge geralmente no 2º verso e 4º versos, sendo os outros dois versos brancos (sem rima). A quadra popular pode ser composta por uma única estrofe ou por várias); Sextina (de origem medieval (trovadoresca). Possui uma forma complexa de seis estrofes de seis versos e com a repetição de determinadas palavras de estrofe para estrofe); Soneto (de origem italiana, na época Renascentista, desenvolveu duas formas distintas: Soneto Italiano - composto por 14 versos (decassilábicos) distribuídos por duas quadras e dois tercetos.
Soneto Inglês - composto por 14 versos distribuídos por três quadras e um dístico); Vilancete (forma poética própria para canto. Constituído por: mote - dois ou mais versos que serviam de tema para a composição do poema,voltas - estrofes que constituem o corpo, ou desenvolvimento, do poema)

2- Épica/narrativa ( Os textos que... apresentam um mundo exterior e objectivo centram-se em torno de "ele", "ela", "eles" e "elas" têm uma função referencial ou informativa)
Há dois tipos de narrativa: a narrativa de ficção e a narrativa de factos
Os gêneros narrativos são
*Epopeia (A epopeia é, basicamente, uma narrativa em verso. O seu objectivo é exaltar a grandeza e a glória de actos, eventos e personagens, pelo que recorre a um estilo elevado, com recurso a abundantes figuras de estilo. Obedece ainda a um cânone (conjunto de regras) rígido, a que também se chamam poemas épicos, é talvez um dos mais antigos, tendo raízes anteriores à escrita. As mais famosas epopeias incluem: Ilíada - composta por Homero, narra o desfecho da Guerra de Tróia. Odisseia - composta por Homero, narra as aventuras do herói Ulisses no seu regresso a casa, depois da Guerra de Tróia. Eneida - composta por Virgílio, narra a fundação de Roma pelo herói Eneias. Os Lusíadas - composta por Luís Vaz de Camões, narra a história de Portugal e a primeira viagem à Índia.
*Ficção (novelas, romance, contos)
*Alegóricos (Fábulas, parábolas, Apólogo)=> é constituído por narrativas metafóricas com um objectivo moral e didáctico, podendo surgir em forma de prosa ou poesia.
* Crônicas=> A palavra "crónica" deriva do radical grego "chrónos", tempo, e, naturalmente, designa uma forma narrativa de natureza historiográfica
3-Drama (Os textos que... apresentam um mundo exterior e objectivo centram-se em torno do "tu"; têm uma função apelativa)
http://criarmundos.do.sapo.pt/Literatura/pesquisabasesliteratura025.html

Como a linguagem/literatura é complexa, porém de uma profunda beleza e riqueza, porque nas entrelinhas pode-se ler o que vai na alma de quem escreve.

Finitude do mundo

Circula na Internet uma mensagem que aponta para a data do fim do mundo em 2012, mensagem esta que apresenta argumentos eloquentes, supostamente documentados e demonstrando ser credível, porém questionável:
Quem é que pode afirmar com precisão que algo terminará com data marcada se não for o autor desse algo?
Será que o criador do Universo segredou no ouvido de alguém e este alguém não conseguiu guardar o segredo e "bateu com a língua nos dentes" espalhando o segredo aos 4 cantos do mundo?
Quando aproximou-se a passagem do século e do milénio (1999-2000) também houve especulação a cerca do fim do mundo e que chegaria exatamente com a viragem do milénio e nada ocorreu. Será que isso seja ditado por aquilo que o povo diz que supostamente teria sido dito por Deus "Ide mundo que de 2000 não passarás" e nessas expectativas vão formulando datas durante o ano de 2000, então se for assim isto só deveria acontecer em 2999, não passando para 3000.
Será que os cientistas com o avanço tecnológico existente já conseguem com precisão determinar que as catástrofes da natureza (tufões, abalos sísmicos, tempestades, queda de neve) que vêm ocorrendo por todo mundo e em lugares que nunca existiram, sejam o prenúncio do fim do planeta Terra?
Se for assim então como ficam as previsões do efeito estufa que se fariam sentir de forma acentuada daqui a cerca de 50 anos, falharam? porque alguns escritos dizem que aproxima-se uma nova era do gelo. Então, em que ficamos o mundo termina em brasa ou em gelo? ao longo do tempo ouviu-se dizer que o fim do mundo seria pelo fogo, mas se vem uma nova era do gelo, inclusive que a terra deixará de girar devido à interferência do campo magnético provocada por um cometa que se aproxima e que isso fará com que haja uma inversão da da rotação da terra ocasionado a inversão da polaridade, tudo isso está um pouco, para não dizer, muito confuso.
Contudo, foi divulgado recentemente que existe uma estufa gigantesca que abriga todas as espécimes de árvores e plantas que existem no planeta, lembrando a outrora, Arca de Noé, só que ao invés de guardar um casal de cada espécie do reino animal, guarda as espécies do reino vegetal, se os cientistas não estivessem pensando no fim, pelo menos de parte do planeta, não estariam se acautelando e preservando as espécies para repor a vegetação. Mas assim o planeta teria somente o reino vegetal, ou os cientistas também estão recolhendo e congelando embriões das espécies animais, incluindo o Homem, daí as experiências genéticas, inclusive dos clones? como é mais ou menos retratado no filme "a Ilha"?
Muito dos argumentos que apontam para o fim do mundo para breve, baseiam-se na interpretação de profecias (do Lat. prophetia= acção de predizer, prever o futuro, vaticínio) como as da civilização Maia:
No mês de Julho de 2006, telescópios e supercomputadores revelaram que o nosso Sistema Solar se encontra no cruzamento entre duas galáxias e se alinhará com o centro da Via Láctea em 2012 - quando receberá o fluxo máximo de energia das formações de plasma luminoso por onde transita actualmente. Esse acontecimento cósmico, jamais sonhado pelos astrônomos contemporâneos, foi calculado pelos antigos astrônomos do Egipto e da América Central, de que se destacava o povo Maia.
Com base em suas observações os Maias previram que a partir da data inicial de sua civilização, desde o 4° Ahua, 8° Cumku, isso é 3.113 a.C., totalizará 5.125 anos no futuro, ou seja ao ano de 2012 d.C., quando o sol ao receber um forte raio sincronizado proveniente do centro da galáxia, mudará sua polaridade e produzirá uma gigantesca labareda radiante. Coincidência ou não, o facto é que nossos astrónomos verificam grande actividade na superfície solar nos últimos anos, podendo intensificar-se extraordinariamente no ano 2012.http://www.novaera-alvorecer.net/as_7_profecias_maias.htm


Outra profecia que anuncia o fim do mundo para próximo é a profecia de São Malaquias:
São Malaquias teria tido uma visão durante uma viagem a Roma por volta de 1139 a respeito dos 112 papas que assumiriam o comando da Igreja antes do Julgamento Final, quando, segundo a Bíblia, Deus separará os bons dos maus.
O actual papa Bento XVI, de acordo com a profecia, constitui o penúltimo papa, é o número 111 da lista e é descrito no texto como sendo "gloria olivae — a glória da oliveira", . Em que sentido o actual papa será "a glória da oliveira"? Como o ramo de oliveira é melhor conhecido símbolo da paz, presumivelmente a glória da oliveira é a paz. Assim, a frase sugere que o actual papa será um homem comprometido com a promoção da paz.
O próximo papa será o de número 112 dessa lista e é descrito no texto como sendo o "Pedro o Romano". O último papa na lista das profecias papais de Malaquias é dado não por um mote, mas por um nome que não pode ser ambíguo, "Petrus Romanus — Pedro o Romano". O nome é seguido de uma breve descrição de seu pontificado que vai até o julgamento final e a destruição da Terra. "Na perseguição final da Igreja Católica reinará Pedro, o Romano, que alimentará seu rebanho em meio a muitas tribulações, depois das quais (Roma ) a cidade das sete colinas será então destruída e um terrível juiz julgará o povo. Fim."
Contudo, convém lembrar que "aonde há fumaça há fogo", esse burburinho que se faz sentir, algum significado deve ter, mas só os tempos dirão e aqueles que cá estiverem para contar, que conte, porque o fim do mundo, ou melhor da existência terrena nesta dimensão que conhecemos, chega trazido pelo crepúsculo da vida. Quando a ciência puder prever a data exata do fim de um planeta, também poderia prever a data do crepúsculo da vida.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Pensador...um observador ou simplesmente um teórico distanciado da realidade

Pensar todos os seres humanos pensam, porém existem Homens que desenvolvem e aprimoram mais o pensamento a cerca do mundo que os rodeia, tornando-o mais elaborado, com maior consistência, tentando transformá-los em termos concretos, lógicos e organizados, estes são chamados pensadores.
Os pensadores surgem em vários ramos do conhecimento e do saber, uns são filósofos, outros são cientistas de diferentes áreas da ciência.

Uns pensadores partem das observações que captam do exterior e processam-na no seu interior e devolvem o seu produto final ao exterior para que possa ser debatida em termos de viabilidade e depois comprovada através da experimentação, a isto chama-se conhecimento científico, parte-se do empirismo para a ciência.

Outros partem de observações do seu interior elaboram teorias e tentam comprová-las na prática para que se torne um postulado ou uma lei científica ou ainda que sirva de substrato para para desenvolvimento de estudos científicos. Tentam passar do abstrato (intuição ou sensibilidade) para o concreto.

Porém existem outros iludidos que se acham observadores do exterior, mas que na verdade, escondem-se por detrás de um muro, mas sem se aperceberem, alienados e distanciados da realidade, através da construção de pensamentos lógicos e racionais, muitas vezes partindo de premissas falsas, por estarem partindo dos seus próprios conceitos e teorias e não da observação real do exterior. Estes por serem excessivamente teóricos, são solitários e mesmo inadaptados ou desinseridos socialmente, são contestadores de tudo que vem do exterior que não vá de encontro aos seus pensamentos, acreditarem que são os "sabichões" ou os "donos da verdade", acham-se incompreendidos e injustiçados, por vezes até são mesmo, por isso estão sempre "brigando" com o exterior.

Este 3 grupos podem coexistir dentro de um mesmo ser humano e se destacar de acordo com o momento, com a situação, com a motivação e a inclinação ou aptidão de cada um. Contudo pode acontecer de que um deles sobressaia, se for o primeiro grupo, vamos encontrar os cientistas, se for o 2º grupo a sobressair, vamos encontrar os filósofos, os gênios da humanidade, se for o 3º grupo, vamos encontrar muitos professores, alguns catedráticos, mas também vamos encontrar, infelizmente, pessoas com distúrbios psicológicos, rebeldes, reacionários, fanáticos e até mesmo terroristas.

Um pensamento será uma teoria ou postulado se puder ser validado, aplicado ou reproduzido na prática.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Coma...Matar, deixar morrer ou esperar pelo crepúsculo?

Uma notícia recente: "Vítima de acidente em 1992, Eluana Englaro morreu em clínica em Udine, suícidio assistido", provoca polêmica sobre a Eutanásia na Itália e no mundo todo.
O nosso cérebro, medula espinhal e nervos periféricos compõem um sistema de controle e processamento integrado de informações. O estudo científico do cérebro e do sistema nervoso é chamado de neurociência ou neurobiologia.
Os cientistas acreditam que a consciência depende da constante transmissão de sinais químicos do tronco cerebral e tálamo para o cérebro. Estas áreas estão conectadas por caminhos neurais chamados Substância Reticular Ativada. Qualquer interrupção nestas mensagens pode colocar a pessoa em um estado alterado de consciência.
Estado de coma – Definido como estado de abolição de respostas ou respostas reduzidas e alteradas. O paciente tem perda completa da percepção do meio ambiente e de si próprio e do qual não pode ser despertado. É o estado mais grave de perda da consciência e geralmente se acompanha de algum comprometimento neurológico e/ou somático grave. A vida de relação, os reflexos e os automatismos costumam estar bastante alterados, variando de acordo com a intensidade do estado comatoso. Havendo alguma atividade psíquica presente, ainda que confusa, fala-se de coma vigil. No estado comatoso a consciência se acha profundamente alterada ou quase abolida, tanto assim que o doente não dispõe da capacidade de se manter atento ao mundo externo e, desse modo, ter consciência do que está sendo vivido. Podem ser determinados por lesões cerebrais, traumas cranianos, distúrbios metabólicos ou intoxicações exógenas, medicamentosas ou não. Ainda quantitativamente, a consciência pode estar aumentada, em estado de hipervigilância, onde os estímulos são percebidos com maior intensidade. O fluxo do pensamento é normalmente acelerado e, comumente, há uma exuberância psicomotora e das atividades em geral. Tal situação é mais comum nos estados de intoxicação por substâncias psicotrópicas estupefacientes. Quando esta hipervigilância está acompanhada de exaltação do humor estamos diante de um quadro de hipomania ou mania,
Tipos de coma
*Neurológico – Pode decorrer de patologias como: AVC, TCE, tumores cerebrais, etc.·
*Metabólico – Pode ser denominado de acordo com a patologia causadora ex: coma diabético, coma hepático, coma urêmico.
Classificação de coma:
*Grau I ou Vigil – O paciente mantém resposta à dor, reflexos e sinais vitais presentes;
*Grau II ou Leve – A resposta à dor está ausente, no entanto, os reflexos e sinais vitais estão presentes;
*Grau III ou Profundo - A resposta à dor e os reflexos estão ausentes, sinais vitais presentes;. *Grau IV ou Depassé – A resposta à dor, os reflexos e os sinais vitais estão ausentes.
Paciente é considerado comatoso quando não obedece às ordens, não emite palavras, não abre os olhos.
O estado vegetativo é um tipo de coma em que o paciente está acordado mas não reage aos estímulos. Geralmente, quem se encontra neste estado são pessoas que estavam em coma e depois de alguns dias ou semanas saem do coma e permanecem num estado inconsciente no qual seus olhos ficam abertos, dando a impressão de que estão acordados. Pacientes assim podem ter comportamentos que levam os membros da família a acreditarem que estão ficando acordados e comunicativos. Estes comportamentos podem incluir resmungos, bocejos e movimentos da cabeça e membros. Entretanto, eles não respondem a qualquer estímulo interno ou externo e as evidências de danos cerebrais extensivos ainda persistem. A evolução dos pacientes nos quais um estado vegetativo dura um mês ou mais é geralmente pequena, e os médicos usam o termo estado vegetativo persistente.
Existem vários casos de pessoas que estiveram em coma e que regressaram, motivo pelo qual reacendeu-se a chama da polêmica em torno da eutanásia (A palavra eutanásia é composta de duas palavras gregas ― "eu"= bom e "thanatos"=morte ― e significa, literalmente, "uma boa morte". Na actualidade, entende-se geralmente que "eutanásia" significa provocar uma boa morte ― "morte misericordiosa", em que uma pessoa acaba com a vida de outra pessoa para benefício desta. Este entendimento da palavra realça duas importantes características dos actos de eutanásia. Primeiro, que a eutanásia implica tirar deliberadamente a vida a uma pessoa; e, em segundo lugar, que a vida é tirada para benefício da pessoa a quem essa vida pertence ― normalmente porque ela ou ele sofre de uma doença terminal ou incurável. Isto distingue a eutanásia da maior parte das outras formas de retirar a vida.
Há 3 tipos de eutanásia:
1-Voluntária=> Há uma relação estreita entre eutanásia voluntária e suicídio assistido, em que uma pessoa ajuda outra a acabar com a sua vida (por exemplo, quando uma pessoa obtém os medicamentos que irão permitir que o outro se suicide). Um exemplo é o caso de Ramón Sampedro:
Ramón Sampedro era um espanhol, tetraplégico desde os 26 anos, que solicitou à justiça espanhola o direito de morrer, por não mais suportar viver. Ramón Sampedro permaneceu tetraplégico por 29 anos. A sua luta judicial demorou cinco anos. O direito à eutanásia activa voluntária não lhe foi concedido, pois a lei espanhola caracterizaria este tipo de acção como homicídio. Com o auxílio de amigos planejou a sua morte de maneira a não incriminar sua família ou seus amigos. Em Novembro de 1997, mudou-se de sua cidade, Porto do Son/Galícia-Espanha, para La Coruña, 30 km distante. Tinha a assistência diária de seus amigos, pois não era capaz de realizar qualquer actividade devido a tetraplegia. No dia 15 de Janeiro de 1998 foi encontrado morto, de manhã, por uma das amigas que o auxiliava. A autopsia indicou que a sua morte foi causada por ingestão de cianeto. Ele gravou em vídeo os seus últimos minutos de vida. Nesta fita fica evidente que os amigos colaboraram colocando o copo com um canudo ao alcance da sua boca, porém fica igualmente documentado que foi ele quem fez a acção de colocar o canudo na boca e sugar o conteúdo do copo. A repercussão do caso foi mundial, tendo tido destaque na imprensa como morte assistida.
A amiga de Ramón Sampedro foi incriminada pela polícia como sendo a responsável pelo homicídio. Um movimento internacional de pessoas enviou cartas "confessando o mesmo crime". A justiça, alegando impossibilidade de levantar todas as evidências, acabou por arquivar o processo.

2- Não voluntária => quando a pessoa a quem se retira a vida não pode escolher entre a vida e a morte para si ― porque é, por exemplo, um recém-nascido irremediavelmente doente ou incapacitado, ou porque a doença ou um acidente tornaram incapaz uma pessoa anteriormente capaz, sem que essa pessoa tenha previamente indicado se sob certas circunstâncias quereria ou não praticar a eutanásia.
3- Involuntária quando é realizada numa pessoa que poderia ter consentido ou recusado a sua própria morte, mas não o fez ― seja porque não lhe perguntaram, seja porque lhe perguntaram mas não deu consentimento, querendo continuar a viver. Embora os casos claros de eutanásia involuntária possam ser relativamente raros, houve quem defendesse que algumas práticas médicas largamente aceites (como as de administrar doses cada vez maiores de medicamentos contra a dor que eventualmente causarão a morte do doente, ou a suspensão não consentida ― para retirar a vida ― do tratamento) equivalem a eutanásia involuntária.
Até agora, definimos "eutanásia" de forma vaga como "morte misericordiosa". Há, contudo, duas formas diferentes de provocar a morte de outro; pode-se matar administrando, por exemplo uma injecção letal, ou pode-se permitir a morte negando ou retirando tratamento de suporte à vida. Casos do primeiro género são vulgarmente referidos como eutanásia "activa" ou "positiva", enquanto casos do segundo género são frequentemente referidos como eutanásia "passiva" ou "negativa". Quaisquer dos três géneros de eutanásia indicados anteriormente ― eutanásia voluntária, não-voluntária e involuntária ― tanto podem ser passivos ou activos.
Ao contrário da eutanásia existe a distanásia (do grego “dis”, mal, algo mal feito, e “thánatos”, morte). Consiste em atrasar o mais possível o momento da morte usando todos os meios, proporcionados ou não, ainda que não haja esperança alguma de cura, e ainda que isso signifique infligir ao moribundo sofrimentos adicionais e que, obviamente, não conseguirão afastar a inevitável morte, mas apenas atrasá-la umas horas ou uns dias em condições deploráveis para o doente.
Tecnologias poderosas permitem aos médicos manter a vida de muitos pacientes que, apenas há uma década ou duas atrás, teriam morrido porque os meios para impedir a morte não existiam. Devido a isto, coloca-se ainda com mais urgência uma velha questão: devem os médicos fazer sempre tudo o que é possível para tentar salvar a vida de um doente? Devem eles fazer esforços "heróicos" para acrescentar mais umas quantas semanas, dias, ou horas à vida de um doente terminal sofrendo de cancro? Deve o tratamento activo de bebés que nasceram com tantas deficiências que a sua curta vida será preenchida com pouco mais do que sofrimento contínuo ser sempre instigado?
A polêmica a cerca da eutanásia é muito antiga:

"A discussão acerca dos valores sociais, culturais e religiosos envolvidos na questão da eutanásia apareceu, primeiramente, na Grécia antiga; Platão, Epicuro e Plínio foram os primeiros filósofos a abordarem o tema. Platão na República, expõe já conceitos solucionadores patrocinando o homicídio dos anciões, dos débeis e dos enfermos. Igualmente Sócrates defendia a ideia de que o sofrimento resultante de uma força dolorosa justificava o suicídio. Aristóteles, Pitágoras e Epicuro, ao contrário, condenavam tal prática. Hipócrates, por sua vez, declarou no seu Juramento: “eu não darei qualquer droga fatal a uma pessoa, se me for solicitado, nem sugerirei o uso de qualquer uma deste tipo”.
Os antigos praticavam a eutanásia, em larga escala, contra as crianças raquíticas, velhos, enfermos, incuráveis, aleijados, como confessa Platão: “estabelecerá em nossa República uma medicina e uma jurisprudência que se limitem ao cuidado dos que receberam da natureza corpo são e alma famosa; e pelo que toca aos que receberam corpo mal organizado, deixá-los morrer e que sejam castigados com pena de morte os de alma incorrigível”.
Tal prática aparece também associada a motivações e ritos religiosos; povos primitivos sacrificavam os enfermos, os velhos, os débeis, em benefício dos outros.
Na Índia antiga, os doentes incuráveis eram atirados publicamente ao Rio Ganges, depois de receberem na boca e no nariz um pouco de lama sagrada.
Os Brâmanes tinham por lei matar ou abandonar nas selvas os recém-nascidos que padeciam de má índole, sendo considerados inaproveitáveis para a sociedade.
Os Celtas, além de matarem as crianças deformadas ou monstruosas, eliminavam também os velhos, uma vez que os desnecessários à sociedade e não contribuíam para o enriquecimento da nação. É oportuno lembrar que este costume ainda é praticado, actualmente, por alguns povos como por exemplo, os batas e os neocaledónios.
Os Germanos matavam os enfermos. Na Birmânia, eram enterrados vivos os doentes incuráveis, enquanto que os Eslavos e Escandinavos, apressavam a morte de seus pais enfermos.
Os povos caçadores e errantes, matavam seus pares velhos, doentes, feridos, para que os mesmos não ficassem abandonados à sorte e às feras, nem tão pouco fossem trucidados pelos inimigos. Atitude esta, movida pelo carinho e atenção que dispensavam a seus etes queridos, sendo que tal atitude foi largamente imitada pelos Índios brasileiros.
Em Esparta, era prática comum e até mesmo obrigatória a precipitação de recém-nascidos com malformações do alto do monte Taijeto, por serem inúteis para a comunidade, a fim de evitar qualquer sofrimento ou virem a constituir-se carga para os familiares e para o Estado. Aqui o homicídio não era considerado crime, desde que praticado em hora dos deuses; e o assassinato dos velhos, pedido muitas vezes por eles mesmos, era uma obra de piedade filial.
Em Atenas, o senado tinha poderes de facultar a eliminação dos velhos e incuráveis, dando-lhes “conium maculatum” (bebida venenosa) em banquetes especiais.
Segundo Giuseppe Del Vecchio, os gestos dos Césares, voltando para baixo o polegar (“pollice verso”) nos circos romanos, equivalia à prática da eutanásia. Os infelizes gladiadores, mortalmente feridos nos combates viam, assim, abreviados os sofrimentos pela compaixão real.
Na tradição bíblica, o rei de Israel, Saúl, ferido no campo de batalha, e a fim de não cair prisioneiro, lançou-se sobre a sua espada e morreu. Teria sido a primeira eutanásia da história?
Na Idade Média, dava-se aos guerreiros feridos um punhal afiadíssimo, chamado “misericórdia”, que lhes servia para evitar o sofrimento e a desonra.
Napoleão Bonaparte, na campanha do Egipto, pediu ao médico que matasse os soldados atacados pela peste, tendo o cirurgião respondido que o médico não mata, a sua função é curar.
No século passado, o seu apogeu foi em 1895, na então Prússia, quando, durante a discussão do seu plano nacional de saúde, foi proposto que o Estado deveria prover os meios para a realização de eutanásia em pessoas que se tornaram incompetentes para solicitá-la.
No século XX, esta discussão teve um de seus momentos mais acalorados entre as décadas de 20 e 40. Foi enorme o número de exemplos de relatos de situações que foram caracterizadas como eutanásia, pela imprensa leiga, neste período. O Prof. Jiménez de Asúa catalogou mais de 34 casos. No Brasil, na Faculdade de Medicina da Bahia, mas também no Rio de Janeiro e em São Paulo, inúmeras teses foram desenvolvidas neste assunto entre 1914 e 1935.
Em 1931, na Inglaterra, o Dr. Millard, propôs uma Lei para Legalização da Eutanásia Voluntária, que foi discutida até 1936, quando a Câmara dos Lordes a rejeitou. Esta sua proposta serviu, posteriormente, de base para o modelo holandês. Durante os debates, em 1936, o médico real, Lord Dawson, revelou que tinha "facilitado" a morte do Rei George V, utilizando morfina e cocaína.
O Uruguai, em 1934, incluiu a possibilidade da eutanásia no seu Código Penal, através da possibilidade do "homicídio piedoso". Esta legislação uruguaia possivelmente seja a primeira regulamentação nacional sobre o tema. Vale salientar que esta legislação continua em vigor até o presente. A doutrina do Prof. Jiménez de Asúa, penalista espanhol, proposta em 1925, serviu de base para a legislação uruguaia.
Em outubro de 1939 foi iniciado o programa nazista de eutanásia, sob o código "Aktion T 4". O objetivo inicial era eliminar as pessoa que tinham uma "vida que não merecia ser vivida". Este programa materializou a proposta teórica da "higienização social".
Em 1954, o teólogo episcopal Joseph Fletcher, publicou um livro denominado "Morals and Medicine", onde havia um capítulo com título "Euthanasia: our rigth to die". A Igreja Católica, em 1956, posicionou-se de forma contrária a eutanásia por ser contra a "lei de Deus". O Papa Pio XII, numa alocução a médicos, em 1957, aceitou, contudo, a possibilidade de que a vida possa ser encurtada como efeito secundário a utilização de drogas para diminuir o sofrimento de pacientes com dores insuportáveis, por exemplo. Desta forma, utilizando o princípio do duplo efeito, a intenção é diminuir a dor, porém o efeito, sem vínculo causal, pode ser a morte do paciente.
Em 1968, a Associação Mundial de Medicina adotou uma resolução contrária a eutanásia.
Em 1973, na Holanda, uma médica geral, Dra. Geertruida Postma, foi julgada por eutanásia, praticada em sua mãe, com uma dose letal de morfina. A mãe havia feito reiterados pedidos para morrer. Foi processada e condenada por homicídio, com uma pena de prisão de uma semana (suspensa), e liberdade condicional por um ano. Neste julgamento foram estabelecidos os critérios para ação do médico.
Em 1980, o Vaticano divulgou uma Declaração sobre Eutanásia, onde existe a proposta do duplo efeito e a da descontinuação de tratamento considerado fútil.
Em 1981, a Corte de Rotterdam revisou e estabeleceu os critérios para o auxílio à morte. Em 1990, a Real Sociedade Médica dos Países Baixos e o Ministério da Justiça estabeleceram uma rotina de notificação para os casos de eutanásia, sem torná-la legal, apenas isentando o profissional de procedimentos criminais.
Em 1991, houve uma tentativa frustrada de introduzir a eutanásia no Código Civil da Califórnia/EEUU. Neste mesmo ano a Igreja Católica, através de uma Carta do Papa João Paulo II aos bispos, reiterou a sua posição contrária ao aborto e a eutanásia, destacando a vigilância que as escolas e hospitais católicos deveriam exercer na discussão destes temas.
Os Territórios do Norte da Austrália, em 1996, aprovaram uma lei que possibilita formalmente a eutanásia. Meses após esta lei foi revogada, impossibilitando a realização da eutanásia na Austrália.
Em 1996, foi proposto um projeto de lei no Senado Federal (projeto de lei 125/96), instituíndo a possibilidade de realização de procedimentos de eutanásia no Brasil. A sua avaliação nas comissões especializadas não properou.
Em maio de 1997 a Corte Constitucional da Colombia estabeleceu que "ninguém pode ser responsabilizado criminalmente por tirar a vida de um paciente terminal que tenha dado seu claro consentimento". Esta posição estabeleceu um grande debate nacional entre as correntes favoráveis e contrárias. Vale destacar que a Colombia foi o primeiro país sul-americano a constituir um Movimento de Direito à Morte, criado em 1979.
Em outubro de 1997 o estado do Oregon, nos Estados Unidos, legalizou o suicídio assistido, que foi interpretado erroneamente, por muitas pessoas e meios de comunicação, como tendo sido autorizada a prática da eutanásia.
Em novembro de 2000 a Câmara de Representantes dos Países Baixos aprovou, com uma parte do plenário se manifestando contra, uma legislação sobre morte assistida. Esta lei permitirá inclusive que menores de idade possam solicitar este procedimento. Falta ainda a aprovação pelo Senado, mas a aprovação é dada como certa. Esta lei apenas torna legal um procedimento que já era consentido pelo Poder Judiciário holandês. A repercussão mundial foi muito grande com forte posicionamento do Vaticano afirmando que esta lei atenta contra a dignidade humana. Em 1974, três cientistas prémios Nobel, Linus Pauling, Gerog Thomson e Jacques Monod foram os primeiros subscritores do “Manifesto em favor da eutanásia humanitária”, publicado na revista “The Humanist” de Julho/Agosto de 1974.Relativamente aos médicos e á medicina é sentir comum que nunca se pode ter total certeza de que determinada doença é incurável".

Alguns relatos de casos de pessoas em coma que reverteram:
1- Um ferroviário polaco que ficou em coma em 1988 devido a um acidente despertou ao fim de 19 anos, anunciou hoje a cadeia de televisão privada Polsat.
Vítima de um choque contra um vagão, Jan Grzebski desenvolveu um tumor cerebral, que lhe afectou os movimentos e a fala até o imobilizar completamente.
«Vi tudo, ouvi os médicos dizerem que eu teria um mês ou dois de vida mas não podia reagir», relatou à estação televisiva, acrescentando que deve a sua via à mulher, Gertruda: «Foi ela que cuidou sempre de mim, foi ela que me salvou a vida».
Pai de quatro filhos na altura do acidente, Grzebski tem hoje onze netos. Quando ficou em coma, a Polónia ainda era um país comunista mas hoje faz parte da União Europeia e da NATO.
«O que hoje me espanta são estas pessoas todas que se passeiam a falar ao telemóvel e não páram de se queixar. Por mim, não tenho nada a lamentar», argumentou.
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=279147
2-Despertou de estado próximo do coma
Terapia experimental foi bem sucedidaUm homem de 38 anos que ficou com graves lesões cerebrais, depois de ter sofrido um traumatismo craniano, e que durante seis anos se manteve num estado de consciência mínima, incapaz de falar ou de se alimentar, recuperou a fala e recomeçou a comer depois de ter sido sujeito a uma estimulação eléctrica numa zona cerebral profunda. Este é um caso inédito de aplicação deste tipo de tratamento, e consequente recuperação, a uma lesão cerebral ocorrida na sequência de um acidente, e vem relatado hoje na revista Nature. A equipa que procedeu à terapia experimental, liderada pelo neurologista Josef Fins, da Weil Cornell Medical College, de Nova Iorque, acredita que este sucesso é uma esperança para outros casos semelhantes e "abre caminho a novos tratamentos para pessoas em estado de consciência
mínima".http://dn.sapo.pt/2007/08/02/ciencia/despertou_estado_proximo_coma.html
3-Mulher inglesa despertou de profundo coma com um beijo de seu marido
LONDRES, 28 Jan. 09 / 09:58 am (ACI).- A imprensa inglesa difundiu a história da Emma Ray, uma jovem mãe de família conhecida agora como a “Bela Adormecida” de Shropshire. Embora os médicos davam seu caso por perdido, Emma despertou de um estado de vírgula profundo com um beijo. Faz dois anos, Emma Ray deu a luz a seu segundo filho Alexander, por cesariana. Dez dias depois sofreu um ataque cardíaco e ficou em estado de coma. Os médicos advertiram a seu marido Andrew que não podiam fazer mais por ela e que tinha as mesmas possibilidades de recuperar a consciência em algum momento, como de ficar em estado de coma de por
vida.Andrew não se deixou abater. Acompanhava-a todo o tempo possível e começou a levar gravações com o pranto do recém-nascido e a voz de sua filha maior, Ela, gritando “acordada mamãe”.“Punha-lhe as canções que dançamos em nosso matrimônio, falava-lhe com muita suavidade, tomava sua mão, tocava seus dedos, o tempo todo lhe dizia que a amava e lhe rogava que acordasse”, lembra.Emma permanecia imóvel e silente. Mas duas semanas depois ocorreu o que eles chamam “um milagre”.Andrew, um perito em tecnologia informática, inclinou-se para sua esposa e lhe fez um amoroso pedido: “Emma, se me pode escutar, por favor só me dê um beijo”.A mulher volteou ligeiramente a cabeça e o beijou. Andrew sentiu que seu coração “se sairia de meu peito” e os médicos contemplaram a cena sem sair de seu assombro.Desde esse dia, Emma começou a recuperar e perder a consciência com freqüência. Seu cérebro tinha sofrido danos pela falta de oxigênio. junto a seu marido começou um intenso caminho de reabilitação e o casal se converteu em um modelo para os habitantes de Shropshire.A dois anos do acontecido, Emma padece de perda da memória a curto prazo, necessita ajuda para caminhar e alguém que vele por ela em todo momento. Sua recuperação exige perseverança e muitos sacrifícios.Entretanto, para sua família não há major alegria que tê-la com eles.
http://www.acidigital.com/noticia.php?id=15190
4-Tinha 19 anos quando sofreu um grave acidente de viação que o deixou em coma. E Terry Wallis permaneceu nesse estado durante muito tempo. Demasiado tempo para que houvesse esperanças de que voltasse a despertar. Mas, 19 anos depois, Wallis acordou. E após quase duas décadas em estado vegetativo, o paciente tem feito progressos surpreendentes para a comunidade científica.As análises ao cérebro de Terry Wallis sugerem que houve um crescimento do tecido cerebral, e esta descoberta pode representar uma maior compreensão não só do cérebro como da forma como ele pode recuperar de graves lesões.Foi há três anos que Wallis pronunciou a sua primeira palavra. Depois de dizer "mãe" continuou a registar evoluções, apesar de limitadas. Já diz mais palavras, o seu discurso tem melhorado substancialmente e recuperou alguma mobilidade nas pernas. Porém, a sua memória é curta e muito pobre. Wallis continua sem compreender o que lhe aconteceu.http://www.helenacasanova.publinetportugal.com/noticia_dn.php
5-Recuperação do EVP (estado vegetativo persistente)
Pesquisadores médicos têm realizado numerosos estudos para determinar quantas pessoas no denominado «coma irreversível», de facto, voltaram desse estado.
Um estudo de 84 pessoas a quem os médicos consideraram estar em «estado vegetativo persistente» mostrou que 41% recuperaram a consciência dentro de seis meses, e 58% recuperaram a consciência dentro de três anos. Um segundo estudo de 26 crianças em coma que durava mais de doze anos, constatou que três quartos eventualmente, recuperaram a consciência. Um outro estudo constatou que um terço dos 370 pacientes em «EVP» por até um ano teve recuperação suficiente para voltar a trabalhar
.
6-Num caso dramático, os médicos atestaram a «morte cerebral comatosa» de um avô de 79 anos de idade, Harold Cybulski, de Barry's Bay, Ontário. Estavam prontos para desligar os sistemas que o mantinham vivo enquanto a família dava seu último «adeus». Mas, quando o seu neto de dois anos de idade correu para dentro do quarto e gritou «Avô!», Cybulski acordou, sentou-se e pegou o netinho no colo!
Seis meses depois, levava uma vida completamente normal, inclusive conduzindo o novo carro que planeara comprar antes de ter entrado em coma.
http://eutanasia.aaldeia.net/estadovegetativo.htm
7-Relato de Luciana Scotti , que esteve em estado de coma: "Eu estive quase dois meses em coma, e lembro-me muita coisa, visitas de amigos e familiares, palavras encorajadoras e também algumas atitudes frias e até desleixadas da equipe de enfermagem e médica.Não é nada agradável ouvir, estando em coma, algum médico dizendo, à um parente seu, que voce irá morrer. Eu ouvi, mas naquele momento, ouvir era o máximo que eu fazia…Impossibilitada de me expressar, a sensação de impotência e desespero, nesses momentos, não é nada agradável!Essa fase incomunicável, acredito ser muito variável. Eu saí do coma e continuei, por mais um mês, ‘Presa dentro de mim’, ou com ‘Síndrome do homem encarcerado’,ou ainda Lock-in.Porém, nem em todo período que fiquei em coma, me manti lúcida. Não! É um período confuso, sem noção exata de onde voce está, o que está havendo, sem nenhuma noção de tempo e muitas, muitas horas desacordada.Nessas horas ‘dormindo’, me sentia dormindo mesmo, exatamente como fazemos toda noite, com sonhos, sensação restauradora, de paz… Como não se sabe se a pessoa em coma está ouvindo ou não, ressalto o cuidado com a forma de tratar essa pessoa, e nunca assumir que ela é um vegetal.Hoje estou tetraplégica e muda, maiores detalhes sobre minha vida voces podem encontrar nos meus livros SEM ASAS AO AMANHECER e A DOCE SINFONIA DE SEU SILÊNCIO e nos meus sites www.dialdata.com.br/lucianascotti/ e http://br.geocities.com/scottibr . Espero que esse meu depoimento ajude elucidar o que é ESTAR EM COMALuciana Scotti."
8-Desde 2001, quando seu neto Ryan, de 24 anos, sofreu uma horrível queda e despencou três andares abaixo por uma abertura de luz no telhado do próprio apartamento, a família de Pat Boone tem enfrentado uma de suas provas mais difíceis. Ryan sofreu múltiplas lesões e entrou em coma. Pat Boone pediu às pessoas que orassem por seu neto e chegou a ir ao programa do Larry King para falar sobre o assunto. “Os médicos disseram que Ryan não sobreviveria, mas nós estávamos confiantes que não apenas ele iria viver, com também de que iria despertar do coma e se recuperar completamente. Dissemos aos médicos que se encarregassem da parte clínica que nós nos encarregaríamos da parte espiritual”.Ryan despertou do coma após 18 meses e continua fazendo progressos.
9-Há tempos, os jornais registraram que o chinês Yang Fuyi despertou miraculosamente do estado de coma em que estava havia seis meses devido a uma hemorragia cerebral. Mesmo não tendo recuperado a fala e inicialmente ser capaz apenas de sorrir ou de estender as mãos para expressar afeto, a terapia da fala e outros importantes cuidados foram providenciados por uma organização sem fins lucrativos, a Creation of Life Foundation (Fundação Criação da Vida), na esperança de que, um dia, ele pudesse recuperar o pleno uso de suas faculdades.
10- No Natal de 1999, uma senhora de sobrenome Bauer, residente no Novo México, recobrou a consciência depois de passar 16 anos em coma, devido a um choque sofrido ao dar à luz seu quarto filho. Sua recuperação não só trouxe enorme alegria a seus filhos, mas também a necessária esperança a famílias em situações similares.
11-Os médicos declararam a morte cerebral de Ethan Myers depois que um acidente de carro causou sério ferimento craniano ao menino de nove anos, em 2002. Quando ele miraculosamente despertou depois de um mês em coma, os médicos declararam que jamais conseguiria comer, andar ou falar sem ajuda.No entanto, em parte graças a um sistema de videogames, Myers conseguiu recuperar o atraso com relação a seus colegas na escola e até mesmo fazer um discurso diante de um grande grupo de alunos."Estou fazendo exatamente as mesmas coisas que eles. Tenho feito novos amigos e toda espécie de coisa", disse Myers, que teve de aprender a andar de novo e estava lendo em nível de segunda série quando sua terapia por videogame começou, em março de 2004."Não conseguia me lembrar onde colocava minhas coisas, e agora consigo. Lembro-me das aulas na escola e dos nomes das pessoas", disse ele em entrevista telefônica da casa de sua família no Colorado.Mais fundamentalmente, Myers agora consegue abrir completamente a sua mão direita, que estava paralisada e atrofiada em posição fechada. Seu irmão e irmã, que estavam com ele no carro durante o acidente e sofreram danos cerebrais leves, também registram melhora em suas memórias e outras funções.Ethan e seus pais atribuem o progresso mais recente ao treinamento de feedback neurológico com o sistema CyberLearning Technology, que já foi usado muitas vezes em jogos de corrida de carros. http://csgames.incubadora.fapesp.br/portal/noticias/brain
O estado de coma é uma fronteira silenciosa entre a vida e a morte, sobre a qual sabe-se muito pouco: é um mundo com mais perguntas do que respostas. O coração bate, o sangue circula, a respiração é mantida, mas o cérebro não responde a nada. Uma pessoa em estado de coma vive assim, sem consciência nem do que está acontecendo com ela, nem do que ocorre à sua volta. Enquanto alguns pacientes acordam sem lembrar de nada, há quem afirme ter passado por experiências que acabaram mudando o jeito de pensar a vida."No coma, tudo é relativo", afirma o neurologista Paulo Monzillo, professor da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo. "Não há respostas concretas para o que acontece no cérebro de uma pessoa em coma. Isso dá margem a fantasias e dúvidas sobre o grau de inconsciência e sobre quando e com quais seqüelas ela pode voltar."Há 11 anos, o ator Flávio Silvino, hoje com 33, sofreu um acidente de carro, teve traumatismo craniano e passou 18 dias em coma profundo e dois meses e meio em coma vígil, os estágios mais graves do coma. Ele faz parte do grupo de pessoas que acordou sem lembrar de nada. "Estou mais por fora do que você. Quando acordei, não sabia nem quanto tempo tinha passado em coma", avisa. Tudo o que ele sabe é de ouvir alguém contar."Às vezes apertava a mão das pessoas e não largava. Dizem que um dia mexi a cabeça, fazendo sinal de afirmativo. Acharam que eu estava respondendo "sim" a uma pergunta. Só que fiquei meia hora repetindo o movimento." Esse tipo de reação involuntária, comum durante o coma, é um dos motivos que despertam dúvidas sobre até que ponto a pessoa está ausente. "O desejo de ver o paciente recuperado leva muita gente a interpretar cada movimento como um sinal de volta, o que nem sempre é verdade", afirma Anita Taub, psicóloga do departamento de saúde mental do Hospital Albert Einstein.O humorista Paulo Silvino, pai de Flávio, sabe bem o que é viver essa situação. "No início, a gente tentava decifrar cada piscada dele. Depois vimos que ele estava como uma estrela do mar, que se mexe automaticamente." Saber disso não impediu que Flávio fosse mimado 24 horas por dia. Ao entrar no coma vígil -em que a pessoa pode abrir e fechar os olhos, mesmo inconsciente-, ele passou a ser tratado em casa. "Meu pai me dava banho, penteava meu cabelo, mal para caramba, mas penteava", brinca.O humor da família não se perdeu em meio ao drama. Não é à toa que Flávio despertou do coma rindo de uma piada do pai. "Um dia, uma menina bonitinha veio rezar por ele. Sentou na cama, e eu comentei: "Ele está mal mesmo, senão já teria voado em cima dela". Nessa hora, Flávio riu e, em seguida, chorou ao ouvir a voz da mãe. Foi assim que percebemos que ele tinha voltado", conta Paulo.
Os casos relatados mostram que "enquanto houver vida, há esperança" e que a vida não nos, pertence. Quando nascemos a vida foi-nos dada para ser administrada por um determinado período estabelecido, compreendido entre a aurora (nascimento) e o crepúsculo (morte). Ninguém pode determinar a data do crepúsculo, muito menos interferir com ele, de consciência tranquila, causando a sua antecipação (por homicío, suicídio ou ambos camuflados na eutanásia) ou seu prolongamento a todo custo (distanásia) como se tivéssemos o poder sobre a vida ou sobre morte, mas não temos, esse poder só a Deus pertence, que permite o milagre da vida e o mistério da morte acontecer quando chegar a hora.