Sua visita me deixou muito feliz...

Sua visita me deixou  muito feliz...

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Carta à minha querida e saudosa Mãe

Querida Mãe,
O vento carrega tudo inclusive as palavras lançadas ao ar, quem sabe se esta carta também não seja transportada em suas “asas” e chegue até a senhora esteja aonde estiver.

Nunca lhe escrevi uma carta, apenas alguns cartões de aniversário e dia das mães, mas para quê se estivemos sempre juntas, exceptuando os últimos anos em que só estávamos juntas no final de semana, embora nos falássemos diariamente ao telefone. Apesar de estarmos juntas poucas palavras trocamos não é mesmo? Parecíamos duas estranhas a conviver sobre o mesmo teto, eu voltada para os estudos e o trabalho, a senhora nos afazeres domésticos e quando falamos, grande parte eram palavras que feriam mais do que acarinhavam, porque não nos entendíamos, a senhora muitas vezes não compreendia o que eu dizia e acabávamos discutindo gerando muitas lágrimas na senhora, ao fim ao cabo por bobagem, lembra uma das últimas vezes que fui limpar as janelas do meu quarto? A senhora insistiu que eu não fizesse com medo que eu caísse, não adiantou os argumentos de que eu estava fazendo com segurança, a senhora insistiu tanto, ficou muito nervosa, começou a chorar e depois me acusou de ser a responsável pelo seu estado. Quantas lágrimas inúteis, desnecessárias, poderiam ser evitadas se eu atendesse ao seu pedido, embora eu estivesse com a razão, pois tinha tomado as devidas preocupações e não corria nenhum risco, mas se o fizesse quem correria risco seria a senhora, porque a senhora iria fazê-lo depois e era isso que eu queria evitar. Se fosse hoje, eu atenderia o seu pedido e arranjaria uma forma de fazê-lo sem que a senhora percebesse e evitaria que a senhora o fizesse.
Este é um dos muitos conflitos que tivemos, onde nos magoamos mutuamente, mas por excesso de bem querer, a senhora tentando evitar que me acontecesse algo, eu tentando evitar que a senhora corresse risco ou se cansasse, afinal a senhora a vida inteira batalhou pela família, quantas vezes teve de carregar baldes de água de uma fonte, quando faltava água em casa, na altura que nós, seus filhos éramos pequenos! Quantas vezes, a senhora esfregou o soalho com palha-de-aço e passou cera de joelhos! E cuidar de 3 filhos pequenos? Lavar as fraldas de panos, na altura não tinha fralda descartável e nem condições para as ter se houvesse, sozinha porque o papai trabalhava, arduamente, para que não faltasse nada em casa, os senhores não tinham ninguém para os ajudar, estavam numa terra estranha, numa cidade, quando a senhora e o papai estavam habituados aos campos de lavoura da aldeia onde nasceram, cresceram e deixaram logo que se casaram. Nos nossos aniversários nunca faltou um bolinho que a senhora fazia com muito carinho, às vezes de madrugada para nos fazer uma surpresa, outras vezes viajando horas de trem para levar o bolinho, feito com amor, ao seu filho, ele já casado com filhas formadas. No Natal mesmo não tendo dinheiro sobrando a senhora sempre conseguia colocar um brinquedinho no nosso sapatinho, como se fosse o Papai Noel que o tivesse deixado.
Por tudo isso e muito mais, além do que tinha a dupla obrigação de o fazer, por ser filha e por ser mais jovem, é que eu tentava aliviar a sua carga quando eu podia, mas a senhora habituada a vida toda cuidar da família e do lar, por amor queria continuar a fazer o que talvez considerasse um dever, não entendia isso, daí os nossos desentendimentos, as lágrimas vertidas ao longo da vida. Muitas vezes a senhora me chamou de desobediente, respondona, mal criada no auge do desentendimento, eu nunca lhe disse isso, essas palavras feriam profundamente porque sempre procurei ser obediente, sempre tive um profundo respeito pela senhora e pelo papai, sempre os amei e os amo, porém, tive sempre um génio ruim, por ser muito sensível, facilmente me sentia magoada, uma palavra, um tom de voz, uma injustiça e logo como uma fera ferida, esbravejava e estupidamente acabava por proferir palavras que magoavam, mas que não era e nunca fora essa a intenção.
Quanta estupidez ao longo da vida! Se arrependimento matasse, eu estaria morta neste momento. Não obstante as lágrimas que fiz brotar dos seus olhos durante a vida, eu fui incapaz de lhe dar uma passagem serena, de aliviar seu sofrimento quando, chegou o seu crepúsculo, de evitar o terror estampado no seu derradeiro olhar, além de tudo isso nem se quer fiquei ao seu lado após a sua partida, para orar e ajudar o espírito a encontrar a luz (posteriormente a sua partida li em algum sítio que o espírito pode demorar algumas horas antes de desencarnar), outra estupidez ou falta de sensibilidade da minha parte não ter pensado nisso e ter ficado ao seu lado, quando o funcionário da clínica disse para ir tratar do funeral eu nem hesitei, sai com o mano e fomos levar a triste notícia ao papai, se bem que optamos por deixá-lo dormir e contamos de manhã cedo, mas tratou-se de ver o cemitério da sua aldeia para onde a levaríamos para a sua morada final. Depois fomos a funerária, preparei a roupa (até nisso eu falhei, foi preciso o papai dizer “tudo para a minha senhora ir bonita”, porque não tive essa lembrança) só depois entreguei a roupa para que a preparassem (mais uma falha, não tomei a iniciativa de o fazer e não me sentia capaz de o fazer, diferente de quando foi a vovó, lembra-se, a senhora pediu que eu lesse a oração do moribundo para ela que estava agonizando, depois ela partiu serena e eu ajudei a vesti-la).
Peço-lhe Perdão:
Perdão por todas as lágrimas que lhe causei;

Perdão por não ter sido a filha que esperava;

Perdão porque nada fiz para aliviar o peso da sua cruz na vida, muito pelo contrário, ainda devo ter contribuído para que fosse mais pesada;

Perdão por não ter sabido ultrapassar as divergências e não ter demonstrado ou dito o quanto a amava e admirava;

Perdão por não ter recompensá-la por todo o trabalho, todo o carinho e nem ter-lhe proporcionado a realização dos seus sonhos, esquecidos em prol da família, um deles tão simples, o de aprender a decorar os seus deliciosos bolos, como a senhora dissera algumas vezes “um dia ainda vou aprender a enfeitar bolos”;

Perdão por não ter sido capaz de dar uma passagem serena para a senhora;

Perdão pelo terror que vi estampado no seu derradeiro olhar, ao invés de ver a serenidade, como outrora eu vi no rosto da vovó após a oração do moribundo que li a seu pedido;

Perdão porque deixei-a sozinha logo após a sua partida, por considerar que o espírito já estivesse liberto logo que seu coração parou de bater, de respirar pondo fim ao sopro da vida.

O que me resta fazer para diminuir a saudades, preencher esse vazio que ficou, aliviar os remorsos e o peso dessa culpa que carrego? Apenas confiar na Misericórdia Divina, pedir a Deus todas as manhãs antes de começar o dia e todas as noites antes de dormir, que lhe dê o eterno descanso no Esplendor de Sua Luz e Glória perpétua e permita que esteja em paz e sem sofrimento ao lado Dele.



Com amor, gratidão, admiração e eterna saudade



Sua filha
PS: A senhora não imagina a falta que faz... o grande vazio que deixou no nosso coração, no nosso lar e na nossa vida.

9 comentários:

Fernanda disse...

Olá!
Votei em seu Blog.
Gostei de vir aqui!!
Fernanda

Céu disse...

Obrigada Fernanda, pelo seu voto!
Que bom que gostou!
Um abraço

Igor Carneiro disse...

Muito lindo! Emocionou-me.

Se quiser se encontrar com ela, continue no caminho de Deus. Porque a casa Dele é a mesma dela!

Deus a abençoe ricamente!

Céu disse...

Obrigada Igor, por seu comentário e demonstração do seu sentir.
Obrigada por esse bálsamo de esperança que chega ao coração, através que suas lindas palavras .
Que Deus lhe abençoe e que essa sua sensibilidade e riqueza interior se conserve ao longo da sua jornada pela vida.

Experiencias de uma vida disse...

Deus te abençoe e proteja
Essa emoção foi muito grande
Mas por favor ,não tenhas esse sentimento de remorso , pois tenho a certeza que do plano aonde ela esta ,já recomheceu a muito tempo os teus propósitos .
Nós somos julgados,pelas reais intenções que temos,e ela eu tenho a certeza,mesmo parecendo discordar de ti,entendia de alguma forma os tuas intenções.
"Recordar é viver duas vezes" mas procura não sofrer tanto,pois ela por consequencia sofrerá tambem .
Procura relembrar os momentos bons e felizes ,e ama-a,acaricia-a em pensamento e de alguma forma a sentirás junto a ti
Paz e teu coração
Namastê

Céu disse...

Obrigada Alcione pela força! Suas palavras são reconfortantes, um bálsamo para os momentos em que a dor da saudade, se mistura a dor do remorsos e da culpa por ter causado, ainda que involuntariamente,sofrimento e lágrimas.
Deus lhe abençoe.
Namastê

Mar disse...

Que carta tao linda! Quanto Amor expressado de uma filha à sua mae. Quanta emoçao! Pode acreditar firmemente que o amor de uma mae é tao grande, tao grande, que jamais haverá espaço para nenhum tipo de sentimento negativo com respeito aos seus filhos ou com a sua família. Mae é uma palavra muito forte. Mae ama, mae perdoa, mae proteje, mae luta, mae é sacrificio: Mae é uma só! E o maior orgulho para uma mae e para um pai, sao os seus filhos. Expressam o amor que sentem em cada gesto, em cada olhar, em cada detalhe, as vezes, sao duros, mas é a sua forma de ser e de ensinar. Uma mae somente se sente completamente feliz quando os seus filhos sao felizes. Seja feliz amiga, porque estou segura que a sua mae estará eternamente orgulhosa de voce, ela nao tem motivos para nao estar. Sua mae foi a mulher mais feliz do mundo neste momento, tao especial, em que voce e os seus irmaos nasceram. Neste momento, em que ela pegou este bebê tao lindo nos seus braços e escutou os seus primeiros chorinhos ao chegar neste mundo maravilhoso e ao mesmo tempo tao complicado. Neste momento, uma mulher se sente abençoada por Deus. Se sente a pessoa mais feliz do mundo e o unico que quer e deseja é que a sua filha ou filhos sejam felizes neste mundo! A sua mae viveu a vida dela em todo o seu explendor, foi feliz com os seus filhos, se divertía com as coisas mais simples da vida e desfrutou muitíssimo com a sua família. Agora, é a sua vez !! Escreve o capítulo da sua vida com alegria! E nunca se esqueça: uma mae só é feliz se os seus filhos sao felizes!! Querida amiga, obrigada por existir! Hoje é um dia especial e quero dar-te os meus PARABÉNS! Graças aos seus pais, podemos desfrutar da sua companhia e de todas as suas experiencias nesta vida atravéz deste blog maravilhoso! Celebra a sua vida com alegria porque um filho(a) é algo muito especial para os pais. Muitas Felicidades! Que Deus te proteja e traga muita Paz e Tranquilidade ao seu coraçao. Um milhao de beijos e saudades, Marilza.

Céu disse...

Obrigada Mar pelo seu emocionante comentário e testemunho pessoal do que é ser mãe. Suas palavras atenuaram um pouco da tristeza contida no coração durante estes 3 anos de ausência da minha querida mãe.
Obrigada pela força e pelas suas palavras elogiosas. "podemos desfrutar da sua companhia e de todas as suas experiencias nesta vida atravéz deste blog maravilhoso"
Obrigada pelos parabéns por ter ficado mais experiente ;) (não pensou que eu fosse admitir que estava mais velhinha!)
Beijos!
Namastê!

Mar disse...

Namastê!