Sua visita me deixou muito feliz...

Sua visita me deixou  muito feliz...

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Humildade é a aceitação da verdade!

Recentemente ao comentar um post publicado no “Linha de consciência” surgiu uma inquietação a cerca da humildade, logo a seguir recebi esta mensagem do site do Padre Marcelo Rossi:
A HUMILDADE É A ACEITAÇÃO PURA E SIMPLES DA VERDADE, SEJA ELA A NOSSO FAVOROU CONTRA NÓS.
A humildade acalma a ira, acolhe o aflito e conquista o coração.
O humilde propõe idéias, o orgulhoso as impõe.
O humilde apresenta planos, o orgulhoso exige que sejam aceitos.
Só o amor impregnado de humildade é capaz de viver em paz e em harmonia com os outros, apesar de entrechoques entre idéias e de diversidade de caracteres.
A humildade abre todas as portas para um bom relacionamento, enquanto que o orgulho impede todas as possibilidades para o diálogo.
O humilde é sempre acolhedor, receptivo e aberto para apreciar as idéias dos outros, mas o orgulhoso julga-se sempre senhor da verdade.Temos muito que aprender uns com os outros.
“Ninguém é tão sábio que nada mais tenha a aprender e tão ignorante que nada possa ensinar”.

No aprofundar do tema encontrei este texto:
Humildade é a virtude que dá o sentimento exato da nossa fraqueza, modéstia, respeito, pobreza, reverência e submissão.
Humildade vem do Latim "húmus" que significa "filhos da terra", ao analisarmos esta frase, encontramos material suficiente para apreender sobre a humildade:Filhos da Terra: sentimo-nos oprimidos sabendo que nosso lugar não é aqui, fomos criados a imagem e semelhança do Criador, descemos por nosso próprio livre arbítrio , devendo retornar através do nosso esforço e trabalho, fazendo florescer as virtudes latentes em nossa alma.
Se diz que a humildade é uma virtude humilde, quem se vangloria da sua, mostra simplesmente que lhe falta. Ela torna as virtudes discretas, despercebidas de si mesma.
A humildade não é depreciação de si mesmo, não é ignorância com relação ao que somos, mas ao contrário, se tem conhecimento exato do que não somos. Se apresenta com humildade, sem que a vaidade se manifeste.
Podem-se encontrar diferentes graus de humildade, como também falsas humildades, pode-se ser humildade em breves momentos, ante algo que nos parece grandioso.
São falsas humildades: Aqueles que se rebaixam ante os outros querendo parecer humildes, porém estão cheios de ressentimentos, inveja ou ambição. Outra falsa humildade é não reconhecer ou não acreditar em seu real valor e se sentir inferior, pode até possuir humildade porém se inferioriza a tal ponto ante seus semelhantes, sentindo grande sofrimento em seu interior, este ser não respeita a sua dignidade.
Ter humildade não significa ser servil.
Ter humildade não é signo de fraqueza. Pode-se ser humilde sem se depreciar ou reconhecer os valores de cada um. Mas, a verdadeira humildade, é aquela que o homem tem consciência e possui uma convicção do que ele é, da sua capacidade, da sua força ou da sua fraqueza, compreende a sua inferioridade, reconhece seus limites mas, não sofre por isso, se esforça e trabalha para ser melhor e procura constantemente seu aperfeiçoamento físico, moral e espiritual.
Ser humilde é saber ir até o ponto de não interferir nos outros, ser humilde é não intrometer-se na vida dos outros.
Esta humildade, esta consciência, este sentimento se adquire lentamente pelo trabalho interior ou pode ser provocada pelo recolhimento da existência de algo superior em nós mesmos, reconhecer a grandeza de Deus, o Ser Supremo, das suas Forças Universais ou das leis que as regem, ante essa compreensão e reconhecimento interior há humildade, reverência à grandeza do Criador.
A verdadeira humildade sempre está acompanhada de outras virtudes: caridade, misericórdia, amor, verdade e compaixão.
O Reparador deixou grandes ensinamentos de humildade: ao lavar os pés dos seus discípulos, assim como nos ensinou o amor ao próximo e a caridade, quando mitigava o sofrimento dos pobres. Suas bem-aventuranças são os humildes que alcançam o Reino dos Céus, humildes no coração, nos sentimentos e na alma.
O homem pode nascer com tendências à virtude da humildade, pode nascer humilde, como também pode trabalhar para adquiri-la. A humildade é uma virtude que atua sem ilusão, sendo guiada pela razão. Um bom conhecimento teórico da humildade favorecem o aprofundamento nesta virtude assim como também o conhecimento exato de nossas limitações.
A humildade produz no interior do homem alegria, paz e serenidade, todo o ser tem conformidade do que ele realmente é e se sente satisfeito em sua fraqueza.
A força da virtude está na alma e não precisamos ser santos para ter humildade, afastando o orgulho, a vaidade, a prepotência e o egoísmo, tal como disse Davi em seus Salmos: "oferecendo o arrependimento ao Senhor, de nossas faltas, seremos melhores". É neste ser que encontramos eloqüente expressão de humildade a virtude que o coroou com majestade. Quando Deus disse a Davi que Ele o tinha escolhido para ser rei, Davi prostrou-se diante de Deus e exclamou: "Nada fiz de merecedor, todas as minhas realizações foram inteiramente as Tuas ações".
Dentro a inquietação tornou-se mais intensa, há que repensar e modificar a forma de estar na vida. Ter humildade de reconhecer e aceitar que tudo podemos com Deus, sem ele nada somos, nada temos.

Nenhum comentário: