Sua visita me deixou muito feliz...

Sua visita me deixou  muito feliz...

terça-feira, 3 de maio de 2011

Jogar voley ...uma fonte de prazer!

Jogar voley é uma fonte de prazer intenso, só igualável ao estar com o ser amado. Seja com equipes de 6x6, 4x4, 2x2 até 2x1 (neste caso adaptado, o elemento que está sozinho não pode dar 2 toques seguidos, ou passa direto ou então deixa cair no chão e dá o 3º toque).


O voley é um esporte completo, que exige um bom preparo físico, técnica, tactica, integração da equipe, exige muita concentração, velocidade e aplicação correrta dos fundamentos (toque, manchete, serviço, remate) até alguns anos atrás era mais bonito de se ver, com gestos elegantes, que poderia durar horas seguidas, se fossem 2 boas equipes ou duas péssimas equipes a disputarem (porque não eram pontos diretos, tinha a vantagem ao mudar o sac), mas com as novas regras perdeu muito da sua beleza e graciosidade: Antes era falta recepcionar o sac de toque e não com manchete; Tocar na rede era falta, bater 2 vezes na mesma pessoa era considerado 2 toques, logo falta, o que antes era considerado transporte e invasão de campo, hoje não é tão valorizado. Os fundamentos não são aplicados corretamente, antes o toque era dado só com as pontas dos dedos, hoje vê-se quase que o jogador segurando a bola com a palma da mão.


A paixão pelo voley, pelo amor e pelo desafio intelectual sobressai no livro: "Prazer D'Alma: 3 exercícios"-Bárbara Aslan, onde tem um capítulo que faz uma espécie de resenha do voley, nomeadamente os fundamentos(técnicas) e as tácticas que são:


As técnicas básicas do Volley são 5: O Saque/serviço; Manchete/recepção; Toque/passe de dedos , Cortada/remate e bloqueio.
1º- Saque/Serviço => realizada pelo jogador que ocupa a posição 1, é o ínicio da jogada, pode ser de vários tipos:
1-“Por baixo”=>O mais básico, onde o jogador segura a bola na palma da mão não dominante, solta-a ao mesmo tempo que a mão dominante bate na bola de baixo para cima com a região próxima do punho, em simultâneo flexiona ligeiramente as pernas (a não dominante na frente e dá o impulso que dará a força da batida na bola, sem girar o corpo.
2- “Por cima” => Exige um pouco mais de força, com a bola na mão não dominante lança-a, ao mesmo tempo que o membro superior dominante é puxado para trás dá o impulso e bate na bola, com a região da mão próxima do punho, quando esta está descendo, após ser lançada, ficando a perna não dominante na frente para dar estabilidade ao corpo no momento de completar a jogada. (Este raramente eu utilizo, somente depois de ter feito 5 serviços seguidos é que eu arrisco ;)
3- “Em suspensão” => Exige força, coordenação e sincronismo nos movimentos (acertar o tempo de subida com a descida da bola e a finalização da ação) é a técnica “por cima” só que ao invés de estar no solo o jogador lança a bola e dá um salto e depois finaliza a jogada.
4- “Balanceado” => Uma variante da técnica “por baixo”, só que a bola é batida por cima da cabeça, havendo ligeira rotação do corpo que está lateralizado, quase de costas para rede, para frente, a bola faz uma trajetória de uma parábola (gosto muito deste, por ser menos simples que o serviço “por baixo”, é preciso menos força do que o serviço “por cima”, porque com o “balanço” que se dá ao fazer a rotação do corpo, já é suficiente para dar força sem muito esforço)
5- “Viajem ao fundo do mar” => variante do “em suspensão” só que a bola tem mais velocidade e descreve uma trajetória em parábola e cai rapidamente antes da linha dos 3 metros, obrigando ao adversário a fazer “peixinho” para tentar alcançá-la.
6- “Jornada nas estrelas” => lançado por Bernardo, jogador brasileiro, há alguns anos atrás. Exige um pavilhão com teto alto, é uma variante do “sac por baixo”o jogador fica de lado e bate na bola com a face lateral do punho para o alto, a bola cai na vertical sobre o adversário.
Você conhece outro tipo de saque/ serviço?




2ª Técnica básica é a “manchete”/recepção ao sac/serviço ou ataque do adversário, 1º toque, ou melhor início dos 3 toques requeridos:
É feita, preferencialmente pelos jogadores que ocupam a posição 1, 5 e 6, que são os defesas laterais e centro, respectivamente, que devem estar de frente para a rede.
Posição básica para recepção:
1- Pés => afastados, em paralelos, mas não na mesma linha, um vai estar na frente dependendo da posição, se estiver na posição 5 o pé que ficará à frente é o esquerdo (paralelo a linha lateral esquerda), se estiver na posição 1 o pé que ficará à frente é o direito, se estiver na posição centro, o pé não dominante fica à frente.
2- Membros inferiores =>coxas flectidas sobre os joelhos e joelhos flectidos sobre as pernas (como que “sentados numa cadeira”).
3- Membros superiores => em paralelos, com as palmas das mãos viradas para cima, a mão dominante sobre a outra, polegares unidos, antebraços semi flectidos. A bola deverá bater no 1/3 médio da região anterior interna dos antebraços.
A força que se imprime à bola é inversamente proporcional a força com que a bola vem, se vem com muita força, não se imprime nenhuma força, apenas serve como amortecedor, deixando simplesmente a bola bater no antebraço ao mesmo tempo fazendo a extensão da coxa sobre a perna, ou melhor voltando a posição vertical, suspendendo assim a bola para o levantador/passador.
O objectivo dessa técnica é suspender uma bola que está abaixo do nível da cintura do jogador. Porém há situações em que a bola vem acima da cabeça do jogador e não tem nenhum jogador atrás para recebê-la, então pode-se usar a chamada “manchete invertida”, que consiste em: O jogador na posição vertical, antebraços flectidos, mãos sobrepostas, polegares unidos, só que o lugar de receber a bola é no 1/3 médio da região posterior interna dos antebraços, procurando que a bola faça a trajectória em parábola. Se for o terceiro toque da jogada, deverá imprimir maior força para ultrapassar a rede, caso esteja no fundo da quadra.
Você sabe alguma posição diferente para recepção da bola lançada pelo adversário?
Conhece outro termo para a "manchete?"
3ª Técnica básica =>“Toque”
Preferencialmente utilizado pelo levantador/passador para distribuir para o atacante, é o 2º toque, dos três requeridos em cada jogada.
1 – Toque em apoio (o mais comum) => o jogador se descola em direção à bola, coloca-se “em baixo” dela com os pés em paralelo, afastados ligeiramente, as pernas flectidas, braços e antebraços suspensos ao nível do tórax, dedos semi flectidos ao nível da região frontal da cabeça, formando um “triângulo” com os polegares e os indicadores, é onde a bola irá se encaixar. Ao mesmo tempo que a bola é encaixada na mão, os braços são estendidos empurrando a bola, com o impulso gerado pela volta a posição vertical (esse impulso é que determinará a altura que a bola atingirá)
2 – Toque em suspensão (bolas altas) => A mesma posição anterior, só que ao invés de flexionar as pernas, dá um salto para alcançar a bola.
Há variantes do toque:
Toque de costas => como o nome indica o jogador está de “costas” para o atacante, neste o movimento que permitirá esse toque, é a extensão do tronco, a bola tem que ter uma trajectória em parábola para permitir que o atacante finalize a jogada. É utilizado quando o passador quer “fintar” o bloqueio estando de frente para um batedor/atacante, mas envia para o outro atacante que está “nas suas costas” ou quando um jogador vai buscar uma bola no fundo da quadra e portanto está de costas para a rede e não consegue virar o corpo.
Conhece outra variante do toque?


4º Fundamento do Volley: "cortada/remate"
=> “cortada/remate”, realizada pelos atacantes, os jogadores que, normalmente, ocupam a posição 2,4 e corresponde à finalização da jogada, o 3º e último toque de bola requerido (embora possa ser o 2º se a situação assim o exigir ou se proporcionar)
Posicionamento correcto: O jogador afasta-se da rede, dá 2 passos em direcção à rede, junta os pés em paralelo, afastados, flexiona as pernas dá o impulso na vertical com o membro superior não dominante levantado na frente, o antebraço dominante é flectido e suspenso ao nível da orelha e bate na bola, num movimento síncrono, ao mesmo tempo que o membro não dominante é baixado (este é que vai dar orientação ao remate), o dominante é suspenso e atinge a bola de cima para baixo, com a palma da mão, mais próxima do punho. Exige uma perfeita coordenação dos movimentos, conjugando com o tempo, velocidade e altura da bola.
São vários tipos de jogadas que o passador/levantador pode combinar com os atacantes, através de sinais: Bola alta na ponta, bola de tempo, meia bola, chute na ponta, chute no meio, desmico, entre outras


5º técnica “bloqueio”
=> Realizada pelos atacantes,
Posicionamento correcto: O jogador aproxima~se da rede, passos junta os pés em paralelo, afastados, flexiona as pernas dá o impulso na vertical com os membros superiores levantados num movimento Exige uma perfeita coordenação dos movimentos, conjugando com o tempo, velocidade do atacante adversário.
Pode ser:
Simples => 1 Atacante
Duplo => 2 Atacantes
Triplo => Com os 3 atacantes


Táticas do Volley
A tática de volley que mais aprecio, por ser aquela a que me dediquei mais, outrora, é a 4x2 com o levantador na saída de rede. Todas as táticas que conheço são:
4x2 levantador centro (a mais comum, por ser a mais simples)
4x2 levantador ponta
5x1 levantador centro
5x1 levantador ponta (na minha opinião a mais complicada)
Todas as táticas dependem de uma perfeita sintonia entre os elementos da equipe; integração, confiança e cada elemento saber ocupar a sua posição, correctamente,dentro da quadra. Exige uma concentração, um acompanhar da bola, dos elementos da equipe e ter uma visão total não só do próprio campo como do campo do adversário e o respeitar e confiar nas posições, é importante haver comunicação para não acontecer "deixa que eu deixo" onde 2 elementos vão a bola e esta "escorre" entre eles (claro que isso não acontece no volley profissional ) ou então a bola "cair aos pés" de um elemento que não "vai nela" porque "não é minha´" (novamente, isso a nível profissional não ocorre). Porém há que saber que o 1º toque é da defesa (recepção de manchete), o 2º toque é do levantador (distribuição com "toque") e o 3º toque, o remate, é do atacante. Contudo isso acaba por ter exceções que depende de cada jogada e momento, tem vezes que não se proporcionarão jogadas utilizando os três toques, sendo necessário ou oportuno finalizar a jogada no 2º toque, por exemplo. Por isso é necessário a concentração no jogo e acompanhar a bola, os elementos da equipe e os movimentos da equipe adversária para poder colocar a bola "no buraco" deixado na equipe adversária.
Alguém conhece mais táticas, além das mencionada? Qual delas é a preferida e porque?

Muito mais haveria para dizer, falar sobre volley é fascinante, porém não tanto quanto jogar um bom jogo...Que saudades dos jogos na ACM! Que saudades das "peladas" de Domingo no Fundão, nem o sol abrasador do meio dia era obstáculo...Que saudades dos jogos na UERJ chovesse ou fizesse sol lá estavam "os fominhas" jogando, inclusive até passando o rodo para tirar o excesso de água e continuar jogando.

Jogar voley dá tanto prazer que inclusive a professora de voley (Geny, muito exigente, a qual reverencio e agradeço os ensinamentos dos fundamentos básicos e a oportunidade de ter participado nos treinos avançados, apesar de não ter o nível dos demais participantes) dizia "Tem que ter uma intimidade tão grande com a bola como se estivesse fazendo amor com ela".

Nenhum comentário: