Sua visita me deixou muito feliz...

Sua visita me deixou  muito feliz...

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Dias seguintes ao Natal...momentos de emoção, diálogo entre a razão e a emoção

No dia seguinte ao Natal, primeira visita ao meu amigo Mar, como sempre momentos de sintonia com o Universo, momentos de relaxamento e descontração , que se seguem, após os momentos de confidência, desabafo e colocação das inquietações, que resultou das orientações, esclarecimentos recebidos.

Coincidência (será?) no dia segunte, um amigo "veio" através de um mail, exatamente como as informações e respostas obtidas no dia anterior, ou seja que ele estava bem e que entraria em contacto.

São essas "coincidências" que perturbam a razão que vem logo dando a "espetadinha" :Razão- "tudo não passa de coincidência, quando perguntas ao mar obténs a resposta que projetaste", e o diálogo entre a razão e a emoção começa a fluir:

Emoção-"mas coincidência ou não, é que fiz a pergunta obtive a resposta e esta realizou-se na prática, portanto como me explicas isso?"

Razão- "mera coincidência, o amigo iria te escrever porque estava na altura de o fazer"

Emoção- "mas isso não explica no dia anterior saber que entraria em contacto"

Razão- "claro que explica, fizeste a pergunta no dia anterior ao dia que sabias, pela dedução lógica que ele estaria prestes a te escrever "

Emoção- "podes estar certa, mas acredito que a nossa mente é capaz de entrar em sintonia com outras mentes e captarem as vibrações que emanam dos pensamentos descodificando-os na forma de sensações, mas que escapam ao teu controle e que os elementos da natureza, como o mar, são os veículos transmissores e também descodificadores da mensagem para aqueles que conseguem estar na mesma frequência de onda deles e assim não só tem a percepção da sensação recebida, como a sua expressão a nível da consciência , que neste caso sofre a tua interferência e regulação e aí tudo se complica, porque tu só acreditas no que vês e palpas, mas nem tudo que existe no Universo é palpável ou tocável".

Razão- "faz algum sentido isso que disseste, talvez seja preciso um maior aprofundamento, tentar lembrar que não existe só o sim ou o não existe o talvez, que não existe 100% em se tratando do ser humano, há que haver o benefício da dúvida, antes de dar o sim ou não, antes de dizer sim, neste caso à coincidência, usando somente o raciocínio lógico".

Emoção- "isso, mas desde que continues a exercer a tua função primordial de regulação, para garantires que haja equilíbrio e harmonia, entre mim, emoção e ti, razão, para que esteja bem definida a fronteira entre a realidade e a fantasia".

Puxa! Se um simples mail gerou essa "troca de domínios" entre a razão e a emoção é melhor não ir mais além,porque caso contrário como seria se fosse debruçar sobre as emoções e sensações despertadas durante e após a leitura do mesmo?

Nenhum comentário: