Sua visita me deixou muito feliz...

Sua visita me deixou  muito feliz...

domingo, 30 de dezembro de 2007

Amor, Sinal de Sofrimento


O Amor é o princípio e a base da vida, porém, também é a origem de todo o sofrimento, Jesus Cristo por amor a nós sofreu na cruz, a mãe sofre por amor ao seu filho, desde o momento do seu nascimento.
Só existe sofrimento para aqueles que amam: sofrimento pela perda de quem se ama, brigas familiares que fazem sofrer justamente aquele que ama, quem não ama é que infringe sofrimento a quem ama, quem ama não "encosta na parede" o ser amado, cobrando o tempo todo a prova desse amor, como no caso da mulher que por inveja e ciúmes, pressiona o marido para se afastar dos seus pais para poder estar com ela, sem entender que ao fazer isso está tornando o marido infeliz, porque sofre por querer contentar a mulher que ama e apoiar aos pais que também ama, neste caso sofre o marido que ama a mulher e aos pais, porque se não amasse não teria que escolher e muito menos se deixaria pressionar.
Quem ama a vida sofre quando esta é desrespeitada ou acaba, mas quem não a ama desrespeita-a e faz com que ela termine.
Quem ama sofre com o sofrimento que possa causar no ser amado.
Então quem ama é um eterno sofredor! Sofre pela perda do amor que se foi, sofre pela morte de quem ama, sofre porque sente o ser amado sofrer, sofre porque aquele que ama corre perigo, sofre com medo de perder o amor, sofre porque o seu amor tem dor, sofre quando seu amor não é feliz, sofre quando não consegue ajudar a quem ama, sofre quando não consegue fazer com que haja harmonia entre os seres que ama, sofre quando os seres que amam está longe, sofre quando os entes amados estão desiludidos ou desesperançados. sofre quando não consegue promover a realização dos entes amados. Sofre quando comete algum deslize que o afasta de quem ama, inclusive se amar a Deus.
A magia do amor está justamente em acreditar que mesmo causando sofrimento o amor é a base da vida: Só existe guerra, fome, violência, miséria na vida porque falta o amor. Se o amor estivesse sempre presente 100% na vida das pessoas então o sofrimento jamais existiria, porque o amor tudo compreende, tudo tolera, tudo transforma, tudo perdoa, não causa pressões, manipulações, intrigas ou inveja, muito pelo contrário é justo, ampara, aproxima, dá um colorido especial a vida, espalha harmonia, transmite segurança, confiança , faz com que haja partilha dos bens e promove a PAZ!

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Explosão interior


Na vida existem momentos ou acontecimentos que nos fazem reagir de forma violenta, é um explodir de pensamentos, geralmente negativos, de ira, revolta, um discurso muitas vezes desconexo ou sem nexo, uma tempestade de palavras para nos defender, chegando mesmo a ser irracional, mas para quê? se nada conseguimos a não ser magoar e ferir aos outros e a nós mesmos. Se a cada momento ou acontecimento desfavorável, sentássemos e refletíssemos sobre o acontecimento em si, sem reagirmos impulsivamente, acabaríamos por ver aonde está o problema e poderíamos centrar nos esforços na solução, porque acredito que se existe um problema é porque existe a solução, mas não temos o auto domínio suficiente para equacionar o problema, extravasamos apenas a nossa revolta, indignação, assumimos a posição de vítima, de "coitadinhos" (Se bem que como se diz no meu querido Brasil: "coitadinho é filho de ratinho que nasce peladinho " ;) só depois é que "esfriamos a cabeça" e vamos equacionar o problema e aí chegamos a conclusão que tivemos uma reação inapropriada, talvez acusemos injustamente alguém, ofendemos alguém, mesmo que só em pensamentos ou através das nossa "verborreia" implacável, quando na verdade até teríamos uma parcela de culpa no ocorrido, ou estamos nos defendendo de um imaginário ataque pessoal.
Seria tão mais simples se fizéssemos como alguns orientais, diante de um acontecimento desfavorável, deveríamos preparar um chá, sorvermos e apreciarmos gole a gole, somente concentrados no sentir do seu aroma e do seu gosto. Quando terminássemos o chá estaríamos preparados para equacionar o problema e poder buscar a solução, sem termos desperdiçado nossa energia, sem que tenhamos magoado, ofendido ou agredido ninguém e nem a nós próprios, muito menos termos motivos de nos envergonhar pela atitude desequilibrada, feroz com que reagimos perante o acontecimento.
Diante de um acontecimento desfavorável devemos agir ao invés de reagir, porém, nem sempre isso é fácil, é necessário primeiro tomar consciência da diferença entre agir e reagir, depois é necessário ir exercitando o domínio de saber o momento certo de liberar e deixar fluir as emoções ou o momento de contê-las. Isso só se consegue com empenho, persistência e sabedoria para discernir se a solução está em nós ou fora de nós e ao mesmo tempo é necessário que não deixemos problemas se acumularem sem solução, porque muitas vezes é esse acumular de situações não resolvidas, mas que ficam o tempo todo "roubando" nossos pensamentos, energia e serenidade interior, que desencadeiam essa reação de "ferver em pouca água" como reflexo dessa explosão interior.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Ser médico ...uma missão ou uma ilusão?





Ser Médico, utopicamente falando, seria um um profissional com qualidades, valores e princípios éticos, morais e humanos elevados e com conhecimento técnico científico aperfeiçoado que possibilitasse curar, quando houvesse possibilidade de cura, tratar quando houvesse possibilidade de tratamento e quando não houvesse possibilidade de curar ou tratar, que pudesse consolar e confortar outro ser humano no seu sofrimento, isto poderia ser resumido numa frase: "O reflexo de Deus na terra", assim o médico seria um missionário, cuja missão seria o alívio daqueles que sofrem de um mal físico ou psicológico. Só que isso tudo até poderia ser em outros tempos, onde havia respeito pelo médico, onde os pacientes iriam buscar cura, tratamento ou alívio para os seus males e não apenas fazer uma "encomenda" como se o médico fosse um vendedor de uma mercearia ou supermercado, do tipo "eu quero fazer análises para ver se está tudo bem" e "estou gripado passei na farmácia estou tomando isto era para passar a receita porque o remédio é caro e eu não tenho posses". Ou ainda "Estou no fundo desemprego e eles dizem que se eu levar a baixa não tenho que ir para o trabalho quando me chamarem"ou o cúmulo da falta de respeito ao rasgar o impresso da "baixa" por não ser o número de dias que queria e ainda ofender o médico. Onde os doentes eram sinceros, verdadeiros, em que construía uma relação médico-doente baseada na confiança e no respeito mútuo em que havia a preocupação com a verdade dos acontecimentos, uma relação de ajuda, em que o doente narra o que aconteceu que o motivou a procurar o médico, espera que este lhe forneça um plano terapêutico (nem sempre medicamentoso) e cumpre-o, porque acredita na capacidade técnico científica do médico que o está assistindo, mas isso não passa de uma ilusão/utopia nos dias que correm.

Parece que a medicina virou um campo de batalha, em que o médico é alvejado pelos doentes, que são inflamados pelas notícias muitas vezes deturpadas, exageradas ou mal interpretadas, que a comunicação social divulga nos seus noticiários, que fazem com que a relação médico utente esteja deteriorada ou desvirtuada.

Mostre-me que estou errada! deixe seu comentário ou responda a pergunta: ser médico é uma missão ou uma ilusão?

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Conhecer-se uma missão quase impossível


Será que alguém consegue se conhecer realmente? ou será que isso é impossível? como saber se aquilo que pensamos que conhecemos de nós mesmos, não serão as nossas projecções, as nossas ilusões, o nosso desejo ou como gostaríamos de ser?
Se nós não conseguimos nos conhecer, então como é que os outros podem achar que nos conhecem? ou nós acharmos que conhecemos os outros?
Quanto mais tento me conhecer, mais sinto que me distancio de mim mesma. é como se existissem 3 pessoas: Uma que é aquela que os outros pensam que conhecem, outra é aquela que pensamos que somos e a terceira é aquela que realmente somos. Se existirem essas três pessoas ou até mais, porque cada uma dessas pessoas podem conter outras pessoas: aquela que idealizamos, aquela que gostaríamos de ser ou que gostaria que fosse. Devido a essa complexidade de pessoas é que torna-se difícil chegamos a nos conhecer ou conhecer os outros como na realidade somos ou são.
Mas será que é realmente importante nos conhecermos? Em que isso nos tornará mais feliz? Será que não é preferível ficarmos com aquela pessoa que pensamos ser? que fomos construindo de acordo com nossas vivências, nossa interação com o meio que nos rodeia, nossos sonhos e ilusões, adquirindo assim mecanismos de defesa que nos proteja e impeça de nos tornarmos vulneráveis e frágeis, porque não seremos subjugados aos outros, não tentaremos corresponder às expectativas deles e sim às nossas próprias expectativas, nem tão pouco ficaremos escravizados de nós mesmos pela corrente da decepção, da frustração de queremos ser e talvez, não o sejamos. Assim não faremos comparações com os outros, seremos simplesmente nós mesmos, com qualidades, defeitos, sonhos e ideais, decepções, ilusões, realizações, frustrações, medos, sucessos e fracassos.
Conhecer-se é uma missão quase impossível, quase, porque acredito que tudo é possível nesta vida! porém é preciso muito esforço, perseverança e dedicação para tornar possível o impossível
O que pensa a respeito?

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Desabafo, o pulsar das Emoções


Tem dias em que sentimos uma repulsa, chegando mesmo a ficar enojados com determinados seres humanos, que cruzam no nosso caminho ou que temos que conviver no nosso trabalho, que são hipócritas, falsos, mentirosos, que faz uso das palavras para iludir aqueles que nelas acreditam.
Seres humanos cuja palavra só tem valor se for registrada em cartório na presença de testemunhas, pois ora dizem algo e depois desdizem o que disseram outrora, chegando mesmo a dizer o oposto do que disseram anteriormente.
Seres humanos que utilizam dois pesos e duas medidas para lidar com as situações, pessoas pouco confiáveis.
Será que valores como a sinceridade, a honestidade, a responsabilidade, o respeito pelo outro ser humano, a cooperação, estão fora de moda?
Será que ter "duas caras", ser falso, desonesto, hipócrita, é o que está em voga?
Que mundo é este em que vivemos? onde a violência, a maldade, a inveja, a hipocrisia, o jogo de interesses, o egoísmo, a luta desenfreada pelo poder, a ganância, a traição, o desrespeito pelo ser humano impera?
Neste momento é hora de dizer "para este mundo que eu quero descer...estou no mundo errado!" pois ainda acredito que possa existir um mundo onde os seres humanos são verdadeiros, não usam máscaras, sorriem quando estão felizes, choram quando estão tristes, são solidários, têm respeito pelo semelhante, procuram se ajudar mutuamente, não cobiçam o que não lhes pertence, são livres para pensar, agir de acordo com suas convicções, falam o que pensam, são coerentes no que dizem e no que fazem , fazem aquilo que falam. Suas palavras são verdadeiras, suas promessas são cumpridas como se de dívidas se tratassem. Que não tentam levar vantagem sobre ninguém, que vencem por mérito, esforço, trabalho e dedicação e não porque pertencem a famílias ilustres ou porque têm uma aparência bonita, ou ainda porque "molharam a mão" de alguém, ou trapacearam, mentiram ou traíram a confiança neles depositada.
Um mundo onde há respeito pela dignidade e liberdade do ser humano. Onde não existe a estupidez do homem expressa através das guerras, onde existe o respeito pela natureza e pelos direito dos homens.
Não vou voltar atrás para ver se o que escrevi tem nexo, deixo esse julgamento para quem vier a ler, porque foi um desabafo, e como tal, o grito de libertação das emoções sentidas e não expressas no momento certo, caladas e suportadas, aprisionadas no interior.
Qual é o remédio para este nojo sentido?

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Desabafo


A vida é bela, porque existe os contrastes, os altos e baixos, as duas faces de uma mesma moeda. Apesar de concordar com a letra da música de Martinho da Vila "...é bonita e é bonita..." Hoje acho a vida menos bela pelas decepções oferecidas por ela, nestes dias, mas pensando bem não estou decepcionada com a vida, mas sim com o ser humano, principalmente com aquele que detém algum poder, que ocupa um cargo de gerência ou administração, porém, parece esquecer que para tudo é necessário organização, planejamento prévio, aliás não há administração se não houver organização, afim de não sair "atropelando" aqueles que estão sob o domínio da sua administração, ou de tratar seus funcionários como uma laranja onde "bebe-se o sumo e joga-se o bagaço fora". Aparentando não dar a mínima importância ao caos que vai gerar ao tomar uma decisão arbitrária, de forma apressada, sem aviso prévio, como por exemplo mudar um funcionário de um sector para outro, sem que haja tempo para serem concluídas as tarefas iniciadas por esse funcionário, sabendo que tão cedo não colocará outro funcionário no lugar desse, que agora transfere, acarretando com isso prejuízo ou transtornos para aqueles que dependiam dessas mesmas tarefas, além de vir a sobrecarregar outros sectores que terão que dar continuidade as tarefas que seriam realizadas por esse funcionário, não falando desse como esse funcionário se sente ao saber que foi enganado, utilizado e "jogado fora"pelo administrador ao dizer que iria ocupar tal cargo inicialmente substituindo alguém que estaria para definir a sua saída da empresa e tão logo isso acontecesse, passaria a situação definitiva, porém, o administrador não tinha a intenção de cumprir isso, apenas o fez para "calar" aqueles que estavam descontentes com tal situação.

A situação não se resolveu, permanece igual, porém, os descontentamentos calaram-se, daí a decisão do administrador em mudar o funcionário para cobrir outra situação gerada antes da chegada deste mesmo funcionário à empresa, situação essa que envolve um acordo político, em que para criar um novo sector, os funcionários teriam que deixar outros sectores para formar este novo sector, necessitando para isso colocar o funcionário nesse outro sector para "livrar-se da pressão política", mas que havia dito ao funcionário que não o iria fazer porque já tinha outro funcionário para cobrir os sectores que ficaram abandonados, mas de repente, tudo mudou, o administrador comunica ao funcionário que a partir da semana que vem já vai para o outro sector. O funcionário então percebe que o tempo todo essa era a intenção do administrador. o erro não está em transferir o funcionário e sim não criar condições de forma a fazer a mudança de forma previamente organizada, revelando falta de organização e de respeito pelo funcionário e por aqueles que outrora calaram os seus descontentamentos iludidos de que haviam sido atendidos.

O funcionário, apesar de estar decepcionado, até mesmo revoltado com tamanho desrespeito e desorganização, tentará que a sua saída seja o menos caótica possível, o mais organizada possível dentro desse caos que se formou a sua volta, por respeito aqueles que de si estavam dependentes.

Este desabafo serviu apenas para mostrar uma face da vida, mas que não impede de continuar achando que a vida é bela, que felizmente existe muito mais seres humanos que têm respeito e dignidade pelos Homens do que este administrador que gera o caos justamente por não ter o mínimo de respeito pela pessoa humana.

O que você acha da vida? Tem algum desabafo a fazer?

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Vida=Amor!



A imagem de Cristo nos ensina qual o caminho a seguir, a "trilha" do coração, através do seu mandamento maior, o AMOR, tão divulgado, tão comentado, tão falado em verso, em prosa ou em poesia, mas tão pouco vivido ou praticado, em sua essência por aqueles que têm a obrigação de o fazer, o ser humano. Se os seres humanos praticassem mais o amor, ou melhor deixassem fluir o amor das entranhas do próprio ser, em tudo que realizasse, não haveria lugar para o ódio, extremo do amor distorcido. Também não haveria violência, pois o amor traduz paz de espírito e paz entre os seres que os rodeiam. Também não haveria tanta miséria, pois o amor implica partilha. Não existiria tantas injustiças, pois o amor é o mestre da justiça.

Enfim se houvesse amor por si mesmo e pelo próximo, não haveria guerra, nem luta desenfreada pelo poder, haveria sim união, fraternidade, justiça, harmonia, compreensão, paz e liberdade, pois os seres humanos seriam tratados com todo o respeito pela sua integridade física e moral, pelos seus ideais, seus direitos. Pois o AMOR é a liberdade de opção, de expressar a verdade, de buscar o que lhe pertence e dar ao outro o que é de direito.

O AMOR é a sensação de ser feliz e de fazer feliz outro alguém.

O AMOR é ser um raio de sol no dia nebuloso de alguém que sofre, que se angustia por não ter o que comer ou não ter a solução para o seu problema.

A VIDA sem AMOR é como um dia cinzento de inverno sem SOL!
Céu 26/6/97

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Amor e Saber a Amar!



Fala-se muito sobre o amor e sobre saber amar. Como é que se ama alguém, se ao invés de lhe transmitir conforto, compreensão, alegria, companherismo, só se pensa em si mesmo, egoísticamente só se pensa nos próprios problemas? e transmite-se má compreensão, agressividade, quando o outro faz alguma em proveito próprio, se não estiver de acordo com o nosso egoísmo, começamos a agredir, sermos mesquinhos, não paramos para refletir que aquilo que nos aborrece tanto, porque saiu daquilo que pensamos, possa fazer feliz aqueles que amamos.
Amar quando o outro nos faz feliz, ou quando o outro age de acordo como queremos, isto é fácil, o difícil é sairmos de dentro de nós mesmos do nosso egoísmo, para irmos ao encontro daqueles que amamos, ás vezes até se for necessário sacrificar nossos desejos ou vontades, desde que façamos felizes aqueles que amamos e que nos amam até mais do que nós os amamos, como os nossos pais, que vivem sacrificando os próprios sonhos e desejos e até os planos por nós, filhos, e nós muitas das vezes respondemos com agressividade, arrogância, como eles devessem fazer tudo por nós, como se eles não tivessem sonhos, desejos, só nos preocupando com os nossos problemas e preocupações, como se só nós importássemos, isto tudo fruto de um egoísmo, um egocentrismo que não nos permite enxergar um palmo a frente do nariz ou que só nos deixa olhar para o "próprio umbigo". Como se tudo girasse em torno de nós. Deveríamos sim ser o centro das atenções por sabermos amar os outros, pois nossas atitudes seriam ditadas pela compreensão, harmonia, paz interior, que nos levariam a pensar nos outros e nas suas necessidades, em primeiro lugar, na tentativa de ajudar a construir o sonho, a felicidade daqueles que amamos.
Céu (3/6/97)

domingo, 30 de setembro de 2007

Cérebro


Como é o nosso cérebro?
Como funciona a nossa mente?
Como se processa a integração de todas as emoções, as sensações que sentimos através dos estímulos que recebemos do meio ambiente e dos próprios estímulos internos?
Como funciona o nosso pensamento?
Como os diversos estímulos, táteis, sensitivos dolorosos, visuais, auditivos, enfim todos os estímulos que vão por caminhos diferentes, são centralizados numa única "central de informação" e depois são emitidos por caminhos diferentes sem haver interferências?
O que mantém a "central de informações" sempre alerta, aonde é que vai buscar a energia necessária para receber, processar e emitir as informações?
De que depende essa "central" de processamento de idéias, pensamentos, informação?
O que faz com que a mensagem seja codificada e descodificada nessa "central geradora de informação" "esse computador" que é o cérebro?
O que faz com que em determinado momento essa "central" falhe e passe a dar informações erradas?
O que faz com que a certa altura o comportamento de uma pessoa modifique, alguma interferência na rede de comunicações?
Como detectar essa falha ou barreira para conseguir corrigir os diversos distúrbios que apresente, seja ele sob a forma de depressão, agressividade, esquizofrenia, excentrismo, euforia, disforia, excitabilidade, demências, psicoses, neuroses, enfim o que fazer para manter essa "central de processamento da informação" sempre atuante, receptiva, integrativa, que transmita a mensagem descodificada de todos os estímulos recebidos, sem alterar o comportamento pessoal e social da pessoa? Para que tire o maior proveito e rendimento dos seus potenciais escondidos ou desconhecidos.
Céu ( 23/1/98)
Passado 9 anos continuo sem obter respostas concretas, objectivas para quase todas as perguntas, exceto talvez para a primeira, a ciência descreve o cérebro em termos morfológico e fisiológico, este último com muitas lacunas. será que alguém pode me ajudar a encontrar as respostas?

Emoções? Sensações?...


Emoções, sensações, motivação, sentimentos, pensamentos, amor, amizade, o que significam essas palavras? São independentes, ou são interrelacionadas, embora independentes. Muito difícil de atribuir um significado ou uma definição. São abstratas e portanto vão além da nossa razão, e o que foge ou escapa a nossa compreensão se torna difícil definir. Talvez sejam várias reações químicas que ocorrem no organismo humano, Já que o organismo humano é uma "complexa máquina química", onde tudo se processa por reações químicas encadeadas, interrelacionadas »» Visão obtida através da bioquímica««talvez seja uma função elaborada pela mente, mas o que é a mente? »» pelo exoterismo ou pela religião seria a alma do organismo humano, a energia que move o corpo, massa palpável e sentida«« mas de onde vem essa energia, já que o organismo como um todo é um somatório de energia. Antes de mais é necessário definir o Homem:
.Uma perfeita obra de arte composta por duas estruturas complexas diferentes: O corpo e a mente/alma totalmente integradas interrelacionadas e insubstituíveis que atuam por mecanismos distintos, mas complementares uma em relação a outra. »»visão artística««
.Uma autêntica fonte de energia que interage com o meio ambiente, libertando e absorvendo energia que possibilita alcançar estádios energéticos diversos.»»visão esotérica««
.Uma cadeia de reações químicas interrelacionadas com o meio ambiente com diferentes expressões funcionais»» Visão bioquímica fisiológica««
. Um somatório de sentimentos movidos pelas emoções, expressos por manifestações de carinho, ternura, amizade e amor e desencadeados por outro ser humano»» visão romântica««
, Integração da matéria (visível) com o espírito (invisível), idealmente sendo comandado por este»»visão religiosa ou sobrenatural««
Céu - 21/1/98

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Saber Amar! O ser humano sabe amar?


O que é amar? É ver no ser amado as virtudes e os defeitos e ainda assim querer estar na companhia desse alguém, por razões que a própria razão desconhece.

Saber amar é querer fazer o outro feliz. É ser um oásis no deserto da vida, uma brisa no furacão de problemas para o ser amado.

Saber amar é fazer com que o ser amado cresça e se sinta estimulado a desenvolver suas potencialidades e principalmente motivação e força para superar todos os obstáculos que a vida lhe proporcione.

Saber amar é saber dizer não quando o ser amado está trilhando o caminho errado e se for necessário "puxar-lhe as orelhas" para fazê-lo voltar ao caminho certo.

Saber amar é estar feliz quando o ser amado está feliz, é chorar quando o choro do ser amado, é ficar triste quando o ser amado estiver triste.

Saber amar é estar presente nos momentos alegres e nos momentos tristes do ser amado.

Saber amar é saber quando o ser amado precisa de algo sem que ele peça.

Céu, 2/6/97

O que é amar?

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Vida e Amor!


O amanhecer anuncia a vida que surge com o despontar do primeiro raio de sol, mostrando a força da luz sobre as trevas. O entardecer reforça a esperança no amanhecer.
Entre a aurora e o crepúsculo as emoções sentidas a cada passo do caminhar pela vida vão dando um colorido especial ao dia tornando-o, resplandecente como sol; Emoções essas despertadas por alguém em especial, que habita os nossos pensamentos e nosso coração,emoções extrínsecas, isto é de fora para dentro, ou através de nossas atitudes, de nossas lutas vencidas, de nosso ânimo e empenho em conseguir chegar aos nossos objetivos e sonhos, os próprios sonhos, o nosso bem estar confirmado pela nossa paz interior, pelas experiências que vamos tendo, emoções intrínsecas, isto é de dentro para fora .
Tudo isso mostrando a vida que corre em nós mesmos, a vida que transmitimos aos outros pelo nosso carinho, nossos préstimos, nossa força e vontade de viver, pelas sensações que despertamos em alguém e que alguém nos desperta . Vida preenchida pelo sol que brilha no azul do céu sobre o vai e vem das ondas do mar, tendo como testemunha as gaivotas que flutuam no horizonte sob o olhar atento, embora invisível , do Criador.
Céu ( 1998)

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Criança

Ser criança é olhar para o mundo com olhos de fantasia, com o encanto que só a magia tem. É acreditar num mundo cheio de encanto e beleza , onde não existem barreiras, fronteiras, preconceitos, luta desenfreada pelo poder.
Ser criança é sonhar de olhos abertos, é construir castelos nas areias de nossa imaginação.
Ser criança é acreditar que tudo é possivel, mesmo o mais impossível.
Ser criança é espalhar sorrisos por onde se passa, cultivar a amizade como se cultiva uma flor.
Ser criança é aproveitar os momentos, é brincar, é divertir-se sem nenhuma preocupação.
Ser criança é conservar um coração puro, sem maldades ou malícias.
Ser criança é acreditar que o mundo é um horizonte amplo a ser explorado e descoberto, através das asas da imaginação tornar possível o impossível.
Ser criança é crer que em cada amanhecer um novo horizonte se abre, um explodir de esperança no ser humano, livre e liberto de todos os preconceitos, preocupações, mágoas ou ressentimentos, unidos, formando uma gigantesca família onde reina a paz, a concórdia, a harmonia, o respeito mútuo, o amor, a alegria, a confiança mútua, todos cumprindo a parte que lhe é destinada, uns ajudando os outros nas tarefas mais difíceis ou complicadas.

Céu (FMUP, 7/5/97)

sábado, 15 de setembro de 2007

Emoções/Sonho



Os sonhos como as emoções são tão belos e delicados, mas tão frágeis e tênues como os castelos na areia, mas que enquanto existem enchem de beleza, encanto e magia os momentos em que se apresentam e deixam uma força invisível quando deixam de existir. Falar de emoções quando se está vivendo um real momento de emoção é no mínimo emocionante, parece que as emoções transbordam por todos os lados, em cada letra, pois torna viva a lembrança dos momentos que motivaram tais emoções, como se o sol entrasse de repente dentro da sala e iluminasse o ambiente, deixando no ar uma energia radiante que impulsiona novas energias e forças dentro de nós, que nos faz sentir como integrantes dessa maravilha que é a vida, quando se ama alguém, quando nos sentimos admirados por alguém, quando alguém deposita a confiança em nós, quando somos úteis a alguém, principalmente se esse alguém for tão valioso para nós, ou quando simplesmente sentimos o calor, a energia do corpo, do sorriso, ou simplesmente o olhar de alguém que nos é querido ou que nos desperta emoções maravilhosamente indescritíveis. Ou quando se faz aquilo que se gosta, quando alcançamos aquilo porque lutamos e nos esforçamos, quando contribuirmos para tornar o mundo melhor a nossa volta ou quando iluminamos o olhar de alguém através de um gesto, atitude ou apenas com um sorriso, ou a nossa presença no momento de dor e sofrimento desse alguém. Viver é construir castelos de areia na figura dos sonhos e emoções, mesmo que a cada onda eles se desmanchem. É perseverar, lutar por construir novos "castelos de areia" a medida que os antigos são destruídos pelas "ondas do mar da vida", sem se deixar destruir ou abalar interiormente. Céu (FMUP- 10/9/97)

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Entre Linhas da Razão e Emoção


Entre a razão e a emoção existe a intuição/sexto sentido, que muitas vezes fornece informações que a razão não compreende, mas que a emoção sente.
Isto traduz o funcionamento da mente: Coisas que são perfeitamente inexplicáveis à luz da razão aquando da reflexão sobre a mente, onde nem o que foi escrito ficou gravado, nem foi enviado, nem havia hipóteses de retroceder, nem de avança, mensagem esta refletida após reflexão sobre a dualidade razão/emoção e que à luz da razão isso aconteceu porque o que foi refletido era algo perigoso, se fosse lido por pessoas, poderia ter consequências nefastas sobre quem refletiu e quem tomasse conhecimento que não estivesse preparado, mas que serviu de lição: A emoção livre da razão acaba por ser tão prejudicial quanto a razão desprovida de emoções, o primeiro caso, revela-se uma estupidez, ações inúteis, no segundo caso resulta num vazio frio, algo que tem muito sentido, mas pouco prazer.
Existe tempo e momento para tudo, mas tem que se estar preparado para o momento, de que adianta conhecer um mistério, se não estamos preparados para a descoberta? o que faremos a seguir? Apenas sofremos inutilmente, quando chegar a hora a nossa mente se encarrega de nos apontar o caminho, a altura de agirmos, a altura de esperarmos, a altura de prepararmos para subirmos outro caminho em direção à Luz.
Não se pode apressar a água que corre do rio em direção ao mar, nem podemos alterar o curso das águas de um rio.
Temos é que cultivar a paciência para esperarmos o momento de agirmos ou acharmos as respostas e cultivar a sabedoria para saber o momento de esperar, o momento de agir ou procurar, "o fruto quer-se no tempo certo", nem antes, pois será verde e nem após o tempo, pois estará maduro demais, próximo do estragado, tanto em um caso como noutro não se tem o sabor do fruto".
Esperar não significa comodismo ou inércia, apenas uma retirada estratégica da luta do agir, preparar o caminho para alcançar a vitória na batalha final ou repor a energia e se preparar para receber as informações e saber como utilizá-las. Céu (FMUP, 23/5/1997)

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Razão X Emoção

A vida deve ser comandada pela razão ou pela emoção
Pela teoria da dominância dos hemisférios cerebrais, qual deles seria o que melhor dominaria a vida das pessoas? O direito, que representa as emoções a criatividade, o dom artístico, a sensibilidade? Ou o esquerdo, que representa a razão, a objectividade, as ciências exatas, dom da construção e do planejamento?
Acreditando que haja uma dominância dos hemisférios, para além do conhecimento científico que demonstra não existir tal dominância, o ideal seria que houvesse um equilíbrio, nenhum dominando o outro e sim deveria haver uma integração entre a razão e a emoção.
Deveríamos tentar ouvir a voz do coração, das emoções, do instinto, da intuição, mas deveríamos ter o discernimento de quando "calar" a emoção, cujo momento não é apropriado e, deixar "falar", "aconselhar".
Às vezes "recebemos mensagens" de algum representante da natureza, porta voz do Criador, que o nosso coração, sede da emoção, embora os mais objectivos afirmem ser o cérebro, compreende e como a razão não conseguiu captá-la, tenta apagá-la como se não existisse, porém há que lembrar o que disse Sheakspeare "existe mais coisas entre o céu e a terra do que nossa vã filosofia pode alcançar", se pensarmos nisso veremos que existe muito mais do que a nossa razão pode alcançar. O que importa é saber "ouvir essas mensagens", sentí-las e depois utilizá-las de acordo com o momento em que estamos preparados, se for o momento da razão prevalecer, eliminámo-las, mas se for o momento da emoção vencer, aproveitámo-la ao máximo. Muitas vezes elas são as respostas às perguntas que nos assaltam a mente, outras são as formas de agir em determinada situação, em outras são as soluções para os conflitos existentes, outras nos alertam para o perigo de determinada ação.
(Reflexão feita em 21/5/1997- FMUP )

sexta-feira, 31 de agosto de 2007



Paraíso

Esta é a tradução fotográfica do que acontece quando duas pessoas se amam...nesse momento são transportadas para o paraíso!

Paraíso... muitas vezes pronunciado, mas na realidade, será que o paraíso existe mesmo ? Não será apenas uma ilusão? Não será uma fantasia? Não será uma fuga da realidade? Não será o amor em si mesmo uma ilusão?

domingo, 26 de agosto de 2007

O que é ser realmente feliz?
Sentir uma paz de espírito dentro de nós mesmos;
Sentir confiança na vida;
Sentir uma força interior para vencer qualquer obstáculo;
Ter a sensação de ternura a circular com o sangue por todo o organismo, que transforma cada gesto nosso num ato de carinho e amor, como se quiséssemos espalhar o amor que temos dentro de nós e fazer com que outras pessoas também sintam essa sensação: Mágica de flutuar ao invés de caminhar;
De ter um sorriso permanente que vem do mais profundo do nosso ser, como se através dele nosso coração se expressasse para tocar outros corações;
De que não existem problemas sem soluções;
De confiança que podemos realizar tudo, desde que, seja para fazer o bem, espalhar amor, luz; De que não existe fronteira entre o sonho e a realidade, que nossos sonhos não passam de uma linda realidade e que nossa realidade faz parte de um sonho;
De que o universo inteiro está em sintonia e harmonia connosco, e que nós estamos em sintonia e harmonia com o universo.
O que é ser feliz para você?

Amor

O que acontece no universo, quando um homem e uma mulher se amam verdadeiramente?
“Os anjos no céu tocam uma sinfonia harmoniosa, Deus sorri satisfeito, o universo todo fica em festa”.
»Nossa mente vai além do concreto, a imagem que ela recebe é que conta, podendo ser real ou imaginário, o nosso subconsciente acaba por agir/reagir de uma forma só, seja real ou imaginário, ao estímulo enviado.
» No chat, um mundo virtual, vive-se as mais belas realidades, tudo o que de maravilhoso é dito, não o seria expresso se as pessoas se vissem, pois a aparência física impediriam as pessoas de se expressarem livremente. Sem a aparência física, por detrás de um ecran, as pessoas são mais verdadeiras, são mais elas próprias, pois sabem que não seriam reconhecidas nas ruas e não estão vendo a expressão de crítica ou censura no rosto ou no olhar de quem as escutam.

Comente!