Sua visita me deixou muito feliz...

Sua visita me deixou  muito feliz...

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

As três expressões do amor

A homilia no Domingo feita pelo padre versou sobre o amor, onde referiu as 3 expressões gregas que o caracterizam, Gerou a reflexão sobre essa o amor nas suas 3 vertentes físico, espiritual e comunitário ou universal:
Eros (amor sexual/conjugal/carnal) => é o amor de dois seres, manifestado através do corpo, são dois corpos que se unem num só, por isso existe os dois sexos diferentes, seus corpos apresentam semelhanças, ambos apresentam configuração anatómica idênticas, tanto é que até surgirem os caracteres sexuais secundários, na puberdade e adolescência, se rasparem os cabelos, ou cortarem bem curtinho não se consegue diferenciar o menino da menina se não for ver suas características sexuais, justamente o que os distinguem são os órgãos genitais, diferentes mas complementares, formam um conjunto tipo chave e fechadura, portanto homem e mulher foram concebidos como complementares, ambos com a mesma dignidade e no mesmo patamar da escala hierárquica., nenhum é superior ou inferior ao outro, não é o sexo que os distingue nessa escala e sim o grau de desenvolvimento cultural, técnico científico, social, religioso, económico e político. É a emoção que ultrapassa os limites da razão e da individualidade.

Platónico (amor amizade/ideal/espiritual) => É o amor vivido dentro de cada um despertado pela natureza, por toda a espécie de vida, por alguém, mas sem contacto físico com esse alguém, pelo menos não como expressão desse amor, é claro que contato físico poderá existir, um beijo é físico, mas neste caso, em princípio é uma manifestação de carinho, ternura, e não a expressão da libido no caso do Eros. É um amor idealizado, fantasiado, mas ao mesmo tempo vivido na realidade, é o amor espiritual, puro sentimento, emoção com razão. É a emoção sem ultrapassar os limites da razão, mantendo a individualidade. É o que confere o status de ser humano ao Homem.

Caridade (amor sublime/incondicional/Universal) => É o amor platónico que se estende ao Universo, é a expressão da essência divina que existe no ser humano, é o amor sem limites ou fronteiras, o amor altruísta, pouco seletivo, não faz distinção entre os seres, é a aplicação prática e seguimento do preceito deixado por Jesus “Amai-vos uns aos outros como irmãos”, daí hver a partilha dos bens, não como esmola, mas como justiça social: Dar de beber a quem tem sede, dar de comer a quem tem fome, dar de vestir a quem está nu, confortar os aflitos e aqueles que sofrem, dar um teto ou abrigo a quem está desabrigado, é a aplicação pratica da oração que o próprio Jesus nos ensinou: Pai Nosso…o pão nosso de cada dia nos dai hoje (se eu tenho um pedaço de pão porque Deus assim me deu, e ao meu lado existir alguém que não tenha será que Deus ao me dar o pão com fartura já não será justamente para repartir com quem não tem)…
Ouvi muitas vezes meus pais usarem a expressão “mãos que não dás porque esperais receber?” É o amor doação, não só em termos materiais, mas principalmente de nós próprios. É esse amor que está implícito quando fazemos algum tipo de sacrifício, não importando a sua dimensão em prol de alguém ou de uma vida., como o de Jesus morrer pregado na cruz, humilhado, injuriado, como se fosse um mal feitor, em expiação dos nossos pecados, conforme a crença de quem é católico e como diz na música que se ouve na altura da Páscoa: “…prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão…”

Cada uma das três vertentes por si só conduz ao estado sublime de êxtase, sua intensidade e duração vai variar em função de como o amor é sentido, expresso ou vivido no nosso dia-a-dia.

2 comentários:

Igor Carneiro disse...

Que coisa linda esse seu texto! Definitivamente, parece que hoje é um dia muito especial!

Quer ler um pouco sobre esse "caritas" maravilhoso e de um modo genial e diferente?! Leia "A História de Uma Alma" de Santa Teresinha de Lisieux, ela descobriu um jeito de amar que Jesus ensinou, mas que até então ninguém tinha pensado. Amor nas pequenas coisas.

Entre um homem e uma mulher, é interessante que seja balanceado o eros e o filis, já que o eros é sim, natural ao ser humano! Só com a graça de Deus é que se pode ser atingido o terceiro amor, o tal de ágape (digo "tal de" porque estou muito longe dele", esse é o amor Divino.

Grande abraço!

Céu disse...

Obrigada pelo seu comentário Igor. Obrigada por enriquecer o texto, tornando-o lindo, ao colocar as três expressões do amor na forma original: Eros, Filis, Cárita, que eu já ouvira, mas não fixara.
Obrigada pela indicação "história de uma alma" assim que for possível tentarei ler, deve ser realmente muito interessante e elucidativo a cerca do amor caridade.
Concordo com você "Entre um homem e uma mulher, é interessante que seja balanceado o eros e o filis" e acrescento, o eros sem filis é um prazer fugaz, mas o eros como expresão corporal do filis gera um estado de êxtase duradouro, gerador de uma energia maravilhosa que faz com que tenhamos a sensação de flutuar ao invés de caminhar.
Você disse "digo "tal de" porque estou muito longe dele" referindo-se ao amor Divino, não me parece que você esteja assim tão longe dele,tendo em vista os textos escritos por você no "linha de Consciência), seus comentários, além de ler livros como esse que indicou, eu diria que você está caminhando na direção dele, e que assim seja.
Um abraço