Sua visita me deixou muito feliz...

Sua visita me deixou  muito feliz...

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Crepúsculo da Vida... a única certeza que existe na vida!

O "Crepúsculo da Vida" foi o termo criado para substituir, a morte, conforme já foi mencionado neste "cantinho" algum tempo atrás, havia surgido quando pesquisava sobre a morte, um projeto de investigação que não foi avante, ficou pelo caminho, entretanto ressurgiu em força há 5 anos quando uma das estrelas da minha vida, a minha querida mãe, se foi, inicialmente como uma homenagem póstuma, um relato do sofrimento e da evolução da doença que culminou com o crepúsculo da  sua vida,  deixando um rastro de sofrimento e profunda dor nos corações de quem a amava. Depois como bálsamo  ou anestésico para a dor, não para acabar com ele, mas para torná-lo suportável, por fim como uma reflexão sobre o tema para superar a angústia que sempre existiu por pensar que um dia tudo deixará de existir, deixaremos de amar, sentir o aroma das flores na primavera, de sorrir,  de realizar projetos, fazer descobertas, ouvir o mar e os cantos do pássaros, deixaremos de ver aqueles que amamos e ver a beleza que nos rodeia , como por exemplo o Pôr do Sol, justamente por essa beleza misteriosa que significa o término do dia, o termo "Crepúsculo da Vida ” pretende dar ênfase a morte como sendo parte integrante da vida e, naturalmente, a única certeza que temos na vida, desde que nela entramos. Como a morte é o encerrar de uma vida, daí a analogia com o crepúsculo, que é o encerrar de um dia.
Alguns dias atrás um amigo  estava falando da sua visão da morte fruto da experiência da espiritualidade transmitida pela sua avó querida, no momento estava frágil e disse que noutra altura voltaria ao assunto, hoje  ao refletir mais um pouco, porque hoje faz 5 anos que minha querida mãe morreu, revi os questionamentos que fiz na altura e os transcrevo:
Uma série de perguntas assolam a todos em maior ou menor escala:
1- Como ocorre a morte?
Ocorre pela falência de um sistema composto integrado que, de alguma forma se desagrega.
 2- O que impossibilita irreversivelmente a vida corporal?
A supressão definitiva das funções do tronco cerebral que é responsável pela coordenação dos órgãos vitais e integração de suas respectivas funções
3- Como se morre?
Morre-se por velhice ou por inadaptação ao meio exterior. 
4- Será que existe vida após morte? será que reencarnação é um mito ou uma realidade? O que acontece depois da morte?
            Há muito que o Homem se debruça em responder a três questões fundamentais, Quem sou eu?, de onde vim ? Para onde vou? Na busca dessas respostas, acaba por se defrontar com outras interrogações que vão conduzindo a outras questões mais, entre elas se questiona se a morte é o fim ou será o início?
Nesse emaranhado de incertezas, de perguntas sem respostas, a única certeza que é comum ao Homem: A morte virá, só não se sabe quando, onde ou como ocorrerá.
Quando o ser humano nasce, já vem com o “rótulo” invisível do “prazo de validade”, quando chega esse prazo a vida, na dimensão física, chega ao fim. Por isso é que algumas tribos africanas celebram a morte com alegria, pois o destino nesta dimensão foi cumprido e recebem com tristeza a vida que surge porque não sabe o que a espera nessa jornada até chegar á inevitável morte!
O ser humano possui duas dimensões: a dimensão física e a dimensão espiritual, é a dimensão física que termina com a morte, não a espiritual, pois essa é imortal, é eterna. Olhando para um corpo morto no teatro anatômico que tenha morrido de morte natural e não de acidente ou traumatismo, sem lesões visíveis, parece alguém que está dormindo, o que faz a diferença entre o corpo que está dormindo e o que jaz sobre a pedra fria do mármore, é que no primeiro existe o sopro da vida e no segundo não. O sangue que circula naquele, já não circula neste, porém, se não há ferimento por onde sair o sangue, para onde vai todo o sangue que antes circulava nos vasos? A ciência vai responder que houve um processo de coagulação, mas uma pergunta fica: Porque o sangue não coagula enquanto há o sopro da vida? Esta observação é apenas um “pensar alto” na tentativa de responder a pergunta se existe vida após a morte, ou melhor vida após vida, porque se consideremos que há a vida física que se extingue com a morte, a vida espiritual continua a ocorrer só que num plano superior, invisível aos olhos na dimensão física. Para aqueles que são cristãos o que foi dito até agora encontra confirmação em várias passagens da Bíblia:

"Quando o corpo incorruptível se revestir da sua incorruptibilidade, e quando o corpo mortal se revestir da sua imortalidade, então cumprir-se-á a palavra da Escritura. A morte será absorvida pela vitória".
Bíblia, Carta aos Coríntios.

"Eu sou a Ressurreição e a Vida. Aqueles que acreditam em mim, mesmo que morram como os demais, viverão de novo. E todo aquele que vive e crê em mim não morrerá para sempre". 
Jesus, São João
Para os que seguem o espiritismo não só confirmam como vão mais além, onde acreditam que o espírito reencarna várias vezes até atingir a perfeição, o patamar divino, pois acreditam que o espírito reencarna quantas vezes forem necessárias para o seu aprimoramento e aperfeiçoamento, em que cada espírito encontra-se em graus diferentes de desenvolvimento, uns necessitam de reencarnar muitas vezes, outros evoluem mais depressa necessitando reencarnar menos vezes.
            A reencarnação existe? Vidas passadas existem? Não é uma resposta fácil de se obter, é muito controverso e polêmico. Se adoptarmos como verdade o que Lavoisier disse”…na natureza nada se cria, nada se perde tudo se transforma” e juntando o facto de sermos energia, ou melhor possuirmos energia vital, talvez, possamos pensar que a morte encerra um nível de energia e que abre as portas para ascendermos a um nível energético superior, transformando a energia outrora inferior numa energia superior. Se assim pensarmos, também poderemos talvez, aceitar a possibilidade de haver reencarnação, como uma sucessão de transformação energética até atingir o topo da pirâmide energética que traduziria a perfeição, o alcançar da divindade.
            Este é um assunto fascinante que abre caminho para outras inquietações: Se acreditarmos que tudo isto até agora é verdadeiro, então acreditaremos que existem mundos paralelos, ou melhor, vários mundos, só que em esferas energéticas diferentes, se assim for, então, cabe aqui algumas perguntas: será que conseguimos aceder a esses mundos energéticos superiores ou diferentes? Como conseguiríamos essa ascensão? Talvez através da mente, essa magnífica desconhecida, pelo menos no conhecimento científico atual. Se assim for, então quando as pessoas estão em coma, talvez consigam ascender a esses níveis superiores de energia, e, então estaria justificado ou tornar-se-iam compreensíveis os relatos das pessoas que saíram do estado de coma onde descrevem a visualização de um túnel e no final uma luz radiante, entre outras descrições. Ou então as pessoas que conseguem entrar em meditação profunda, em transe, ou melhor em estado alterado de consciência, voluntariamente, também ascenderiam a esses níveis energéticos superiores, o que viria a esclarecer os médiuns descritos pelos que acreditam no espiritismo, que captariam as mensagens dos espíritos nos vários níveis de energia, ou daqueles que relatam as viagens astrais, isto é que conseguem deixar o corpo físico e “passear” pelos vários níveis energéticos, sem que tenham desencarnado, em linguagem espírita, ou morrido em linguagem corrente., conforme os projeccionistas descrevem.
Se acreditarmos que existe vida após morte, ou que a morte é a passagem para a vida eterna, conforme é ensinado na doutrina católica, então significa que também acreditamos que existe um céu para onde as pessoas que andaram dentro da lei de Deus terão o descanso merecido e prometido. Se acreditamos em céu, teremos que acreditar no inferno, porque sempre existe os 2 lados de uma moeda ou pólos opostos, o lugar aonde o espírito padeceria nas trevas por não andar de acordo com a lei de Deus.
Acreditando nesses dois lugares, então acreditar no purgatório viria por acréscimo, porque é necessário um tribunal para julgar as almas/espíritos que andaram de acordo com a lei de Deus para depois serem encaminhados para os respectivos locais, para receberem o prêmio ou o castigo eterno. Aqui se coloca uma questão: se Deus é amor e o amor tudo perdoa e o próprio Jesus nos ensina que devemos perdoar uns aos outros 70x7 vezes e não somente uma vez, como então permitiria que um espírito fosse condenado ao castigo eterno caso não vivesse na lei de Deus? Aqui cabe, ainda, uma outra reflexão: Partindo da crença do espiritismo em que o espírito reencarna tantas vezes quantas forem necessárias para o seu desenvolvimento até atingir a perfeição, então não seria este o ponto de união entre as duas doutrinas, o inferno pregado na religião católica seria o ter que regressar a dimensão física, quantas vezes fossem necessárias para se redimir de suas faltas, recebendo a oportunidade de se arrepender e voltar ao caminho da luz, para a doutrina espírita seria o reencarnar, o renascer do espírito num outro corpo. Se assim acreditarmos podemos inferir que o céu seria o paraíso dos justos que andaram de acordo com a lei de Deus e seria alcançado com a morte e daí a expressão “dai-lhe o eterno descanso entre o esplendor da luz perpétua”, que poderíamos explicar como sendo o desejo de que aquele espírito que acabou de fazer a sua passagem não tenha que regressar a dimensão física encontrando o patamar da energia superior, a perfeição, a divindade.
Num “passeio” pela Internet, encontrei esta imagem magnífica, perfeita para traduzir o que vem sendo descrito ou seja, a morte como a passagem para um nível energético superior (utilizada com autorização do autor Jim Warren).
Em forma de conclusão, para serenar o meu espírito necessito acreditar, neste momento, que o Crepúsculo da Vida, a morte, é a passagem de uma vida de sofrimento para uma vida de Paz, Luz, Serenidade e Amor, é o abrir das correntes, libertando o espírito aprisionado, para seguir em direção à Luz Divina, para poder acreditar que minha querida mãe se encontra sem sofrimento, em paz e ter alcançado o patamar da Luz Divina.


2 comentários:

Alcione Sousa disse...

Oi Ceu DEus abençoe e proteja ati e a todos os teus queridos
Muito enriqecedor o teu Post .
Parabens
Já os antigos diziam:
(o fato mais certo que nós temos na vida é a morte)
Cruel mas verdadeiro...
Se nascemos o caminho é sempre esse,mais cêdo ou mais tarde .
Portanto é sempre mais inteligent nos prepararmos para ela,da mehor forma possivel saudades

Namastê

Céu disse...

Obrigada amiga pelo seu comentário, reforçando de que por mais cruel que seja "o fato mais certo que temos na vida é a morte" eu ressalto que é a única certeza que temos na vida.
Que Deus lhe abençoe!
Namastê!